60. Mumm-Rana

Escrito por Bob Haney

Sinopse oficial
O Rato Estelar, tripulado pelos Mutantes, ataca o Feliner. Escamoso, Simiano e Chacal são ejetados da nave e caem em direção ao solo. Eles são salvos da destruição certa por Mumm-Rana, uma imagem espelhada feminina do Mumm-Ra, uma força do bem que vive em sua Pirâmide Branca. Mumm-Rana é levada a acreditar que os Mutantes são bons e os ThunderCats maus. Mumm-Ra a enfeitiça e volta seu poder contra os ThunderCats. Ela coloca a Espada Justiceira em um tipo de casulo de seda e danifica a própria Toca. Lion-O se disfarça como um Tabbut rico e, com a ajuda de Tygra, prepara-se para ser roubado pelos Mutantes. Mumm-Rana testemunha o ataque, e a natureza verdadeira e má dos vilões lhe é revelada. Isso quebra o feitiço de Mumm-Ra e ela liberta a Espada Justiceira. Os agora aliados derrotam as forças do mal, mas Mumm-Rana tem sua vida ameaçada pelo excesso de esforço. Em uma corrida desesperada contra o tempo, os ThunderCats a devolvem à Pirâmide Branca, onde seus poderes são rejuvenescidos.

Moral pelo Dr. Robert Kuisis
Quando os Mutantes, no Rato Estelar, perdem um confronto contra o Feliner dos ThunderCats, a nave deles quebra e eles mergulham em queda livre. Só não morrem porque são resgatados por Mumm-Rana e a descobrem ela e a seu mundo. Mumm-Rana, que vive em uma Pirâmide Branca com uma câmara de sepulturas, parece a princípio ser igual a Mumm-Ra. Mas ela é, na realidade, o oposto dele. Onde Mumm-Ra é o epítome do mal, Mumm-Rana é um espírito do bem. Mumm-Ra aparece e, depois de um impasse, consegue dominá-la, lançando um feitiço. Ele a convence de que os ThunderCats são inimigos e do mal e ela, em sua bondade, deve ajudar a vencê-los. Juntos, Mumm-Ra e Mumm-Rana atacam os ThunderCats. Eles se mostram formidáveis. Como a Espada Justiceira não prejudicará a bondade, ela é desarmada por Mumm-Rana e colocada em um casulo, e os ThunderCats são exilados. Somente quando Lion-O é capaz de impressionar Mumm-Rana é que eles provam que são bons e não maus. Finalmente, os ThunderCats são capazes de perseverar. A realização de Mumm-Rana a libera do feitiço de Mumm-Ra e ela libera a Espada Justiceira imediatamente. Juntos, Lion-O e Mumm-Rana enfrentam Mumm-Ra e o repelem. Os ThunderCats são capazes de devolver Mumm-Rana ao seu habitat e ressuscitar seus poderes.

O bem e o mal são realmente opostos, e Mumm-Rana e Mumm-Ra representam suas características neste episódio respectivamente. A paz e a serenidade de Mumm-Rana contrastam com o estranhamento e o ódio de Mumm-Ra. O mal às vezes pode parecer mais poderoso que o bem, porque é cruel e cumpre suas próprias regras e não as regras aceitas por um código moral. Pode até deixar de lado a bondade por um tempo. Mas, no esquema geral da realidade, o bem é mais forte e seus efeitos mais poderosos e duradouros. A natureza humana tem uma propensão básica à totalidade e estar em paz e harmonia consigo mesma, em vez de fragmentada e alienada. Quando responde à bondade, nossa natureza é forte e segura, cheia do poder que advém do respeito próprio. Esse sentimento de plenitude e satisfação é uma atração mais forte do que os efeitos do mal, que gera apenas desrespeito.

Deveríamos nos comprometer, como Lion-O e Mumm-Rana, a nos alinharmos com o curso da bondade. Ao fazer isso, receberemos a maior recompensa, o respeito próprio.

Elenco e personagens
Lion-O: Newton da Matta
Panthro: Francisco José
Tygra: Francisco Barbosa
Cheetara: Carmen Sheila
Wilykit: Marisa Leal
Wilykat: Nizo Neto
Jaga: Garcia Neto
Snarf: Élcio Romar
Escamoso: André Luiz “Chapéu”
Simiano: Paulo Flores
Chacal: Older Cazarré
Mumm-Ra: Silvio Navas
Mumm-Rana: Sonia Ferreira

Locais em destaque: Pirâmide Branca; Pirâmide Negra; Floresta dos Unicórnios; Toca dos Gatos; Castelo Plun-Darr; desertificações nas proximidades do Castelo Plun-Darr.

Veículos: Feliner; Rato Estelar.

Comentário oficial
Quando se trata de alguns filmes, como os de Michael Bay, o consenso geral entre os críticos é que o público deve deixar o cérebro fora do cinema. “Mumm-Rana” faz parte desse grupo na série ThunderCats. Este episódio requer uma suspensão de descrença maior do que o normal para ser agradável.

Escrito por Bob Haney, autor de muitos episódios fantásticos do ThunderCats, “Mumm-Rana” é sua última e provavelmente mais fraca contribuição para a série. Haney segue o caminho mais fácil de escolher um personagem existente e criar um espelho oposto a ele. Nesse caso, é o principal antagonista, Mumm-Ra, cuja característica (incluindo o gênero) é invertida para dar à luz Mumm-Rana. Ela é uma feiticeira mumificada que pode se transformar em uma versão poderosa de si mesma e até tem sua própria Pirâmide Branca, completa, com um sarcófago, quatro estátuas e um caldeirão.

Haney não apenas pensa muito pouco no personagem titular, mas também é preguiçoso. A fim de distrair o espectador da trama (ou falta dela), o escritor infunde o episódio com inúmeras cenas de batalha. Muitos aspectos interessantes, como os ThunderCats mapeamento a laser os sistemas estelares são abordados, mas não são suficientemente explorados. Isso resulta em uma história apressada que constantemente passa de uma sequência de ação para outra, sem grandes novidades.

É difícil compreender como um escritor brilhante como Haney, responsável por conceber personagens memoráveis como Wizz-Ra, o Homem da Neve da Montanha Gancho e o Incandescente, possa inventar uma personagem banal como Mumm-Rana. Até Wizz-Ra, que é uma antítese de Mumm-Ra em muitos aspectos, recebe amplo desenvolvimento de personalidade, uma intrigante história por trás e um design original em “Dimensão da Destruição”. Mas tão pouco pensamento é colocado no caráter de Mumm-Rana que até seu canto, “espíritos antigos de bondade, transformem esta forma pacífica em Mumm-Rana, a Sempre Generosa”, soa excêntrico.

Apesar de ser um programa predominantemente masculino, existem personagens femininas muito fortes em ThunderCats. Cheetara, Willa, Mandora, Ta-She, todas são capazes de levar um episódio inteiro. Como personagem, Mumm-Rana não possui essa força. Apesar de ser uma feiticeira com poderes iguais aos de Mumm-Ra, ela é facilmente hipnotizada pelo Sacerdote do Mal, e o pior destino que ela pode conceder à Espada Justiceira é cobri-la com fios de seda.

A implausibilidade da narrativa é ainda mais enfraquecida pela resolução pouco inspiradora. Lion-O consegue quebrar o controle de Mumm-Ra sobre Mumm-Rana, usando o disfarce de um Tabbut (uma raça de seres semelhantes a porcos) e deixando os Mutantes o atacarem, convencendo-a de que os Mutantes são maus. E Mumm-Ra, sendo derrotado nos métodos mais monótonos, apenas vendo seu reflexo, contribui para o tédio. Pelo menos, Haney traz um pouco de novidade ao usar o lado do Feliner como superfície reflexiva. É bom que a Panthro dê mão dupla no polimento da espaçonave regularmente!

Mesmo um bom visual não ajuda a elevar a qualidade geral de “Mumm-Rana”. O tema tinha muito potencial, mas Haney não conseguiu desenvolver. Como resultado, esse episódio dirigido por feitiçaria não encanta o público.

Escrito por Wilycub

Curiosidades

  • Embora o Rato Estelar apareça brevemente no início, nenhum de seus pilotos regulares, Ratar-O ou Abutre, aparece neste episódio.
  • A cena em que a Toca dos Gatos está sendo decapitado é uma reminiscência do mesmo destino sofrido pela fortaleza dos ThunderCats em “Retorno a Thundera”, também escrita por Bob Haney.
  • Quando Mumm-Rana bane Lion-O, Tygra e Snarf para o exílio eterno, acontece que ela apenas os transportou para perto do Castelo Plun-Darr.
  • Quando Mumm-Rana cai sob o controle de Mumm-Ra, duas cabeças de cobra aparecem em seu elmo, semelhantes às de Mumm-Ra.

Texto extraído de thundercats.org com tradução, complementos e adaptações de Luciano Marzocca