56. A Montanha

Escrito por Danny Peary

Sinopse oficial
Mumm-Ra convoca os Mutantes e ameaça expulsá-los do Terceiro Mundo, a menos que lhe tragam a Espada Justiceira. Enquanto Lion-O está escalando uma montanha, os vilões o emboscam com cartuchos de Thundranium. O Senhor dos ThunderCats convoca Tygra e Panthro com a Espada. Enquanto enfraquecido, Lion-O corre perigo à beira do penhasco, e Chacal toma a Espada. Os dois atravessam a beira, caem em um rio e seguem rumo a uma cachoeira. Os outros Mutantes, por engano, causam um deslizamento de pedras, que os prende numa caverna juntos a Tygra e Panthro. Eles fazem trégua temporária, mas claro que os plundarianos planejam violar assim que escaparem. Chacal pega a Espada de um Lion-O inconsciente e sobe a montanha. Lion-O o alcança e o ladrão se recusa a entregar o objeto. A Espada voa pelo ar, girando e girando, com Chacal segurando a alça, finalmente se prendendo na face da montanha acima do rio. Lion-O salva o Mutante pendurado e ordena que a Espada volte para sua mão. Ele então libera os outros Mutantes, Tygra e Panthro da caverna. Uma vez livres, os Mutantes começam a lutar contra os ThunderCats novamente, apenas para descobrir que enquanto dentro da caverna, os adversários tiraram a munição de suas armas.

Moral pelo Dr. Robert Kuisis
A obsessão de Chacal pelo poder o impede de trabalhar em conjunto com Lion-O para resgatá-los, quando eles são confrontados com um perigo comum. Em vez disso, ele tira proveito da boa ação de Lion-O, salvando-o de se afogar para roubar a Espada Justiceira. No entanto, o poder da Espada prova ser um poder que Chacal não pode controlar, porque é baseado na bondade. Lion-O recupera sua arma e a usa para libertar os ThunderCats e repelir os Mutantes.

A fonte do poder dos ThunderCats é o poder da bondade e um código moral, que vem de dentro. É exemplificado neste episódio pela boa ação de Lion-O resgatando Chacal e pela cooperativa de Panthro e Tygra trabalhando em conjunto com Escamoso e Simiano para escapar da caverna. Os Mutantes, ao contrário, buscam poder na força externa e no mal, e não mostram fidelidade a uma moral interna. É por isso que eles não são páreo para a Espada Justiceira e o ThunderCats. A força e o poder reais repousam em uma moral baseada na consciência e no julgamento de discernir o bem do mal. Devemos nos esforçar em nossas vidas para não basear nossas ações em circunstâncias ou recompensas externas, mas na correção das próprias ações.

Elenco e personagens
Lion-O: Newton da Matta
Panthro: Francisco José
Tygra: Francisco Barbosa
Cheetara: Carmen Sheila
Snarf: Élcio Romar
Escamoso: André Luiz “Chapéu”
Simiano: Paulo Flores
Chacal: Older Cazarré
Mumm-Ra: Silvio Navas

Locais em destaque: Montanha e rio não mencionados, possivelmente uma encosta do Rio do Desespero; Toca dos Gatos; Pirâmide Negra.

Veículos: ThunderTanque

Comentário oficial
Algumas das primeiras histórias contadas pela humanidade foram sobre a batalha entre o bem e o mal. Até hoje, nossas narrativas costumam ter esse mesmo conflito em sua essência. ThunderCats não é diferente e, fundamentalmente, é a história de nossos heróis felinos e seus aliados lutando contra as forças do mal. Embora “bem versus mal” tenha sido uma fórmula bem-sucedida, alguns escritores vão além e exploram histórias nas quais o bem e o mal são forçados a dar as mãos para superar uma ameaça comum. Danny Peary faz exatamente isso em “A Montanha”.

Embora seja fácil ser enganado pelo título bastante despretensioso do episódio, seria um erro grave julgar este livro proverbial pela capa. “A Montanha” começa com Mumm-Ra dando um ultimato aos Mutantes: obtenham a Espada Justiceira ou passem a eternidade no exílio! A julgar pelo comportamento sério de Mumm-Ra e pela fúria em sua voz, o Sacerdote do Mal não está blefando. E, a julgar pela renovada determinação dos Mutantes, eles receberam a mensagem em voz alta e clara.

Em muitos episódios do ThunderCats, os Mutantes foram tristemente relegados ao papel de alívio cômico, sendo frequentemente derrotados de uma maneira tonta “chaplinesca”. Peary devolve os Mutantes à sua antiga glória, tornando-os o mais temíveis possível. A cena em que os Mutantes esperam no escuro com armas carregadas de Thundranium e olhos amarelos brilhantes assustadores é uma indicação clara disso. A renovada temeridade dos Mutantes é confirmada ainda mais quando a chegada de Panthro e Tygra não faz nada para demover os vilões de seu objetivo. Eles se levantam e encaram os ThunderCats de frente, em vez de fugir em retirada. Infelizmente para os Mutantes, sua vitória quase certa sobre os heróis felinos é interrompida por uma avalanche de pedras.

A partir deste ponto, a história se divide em duas, com a metade focada em Escamoso, Simiano, Panthro e Tygra presos dentro de uma caverna hermética, e a outra parte dedicada a Chacal lutando para tomar a Espada Justiceira de Lion-O. É apenas o roteiro rígido de Peary que mantém a intensidade nas duas tramas. A sequência dentro da caverna com o suprimento diminuto de oxigênio evoca sentimentos de claustrofobia e um senso de urgência. Ainda melhor é a trégua entre os Mutants e os ThunderCats, com ambas as partes não tendo nem um pingo de confiança uma na outra, mas ainda trabalhando relutantemente para sobreviver. A piada humorística de Panthro dirigida a Escamoso: “Chacal não conseguiria tirar você de um saco de papel molhado!” ajuda a aliviar temporariamente o clima nessa situação tão sombria.

Fora da caverna, a situação com Lion-O e Chacal é muito mais animada e cheia de ação. É interessante ver o mutante-cão tão completamente dedicado a obter a Espada de Lion-O. Mesmo cair de uma cachoeira não desanima seu espírito, e ele se apega ao objeto mágico por todo o caminho. Quando Chacal finalmente se apodera dela, ele mostra sua exuberância de maneira cômica imitando Lion-O, mas com seu próprio canto de “Plun-Darr, Plun-Darr, Plun-Darr, Chacal HO!”. Surpreendentemente, depois de obter a Espada, Chacal retorna à caverna onde seus companheiros Mutantes estão presos em vez de fugir com seu precioso saque direto para Mumm-Ra. Essa demonstração de lealdade é rara para um Mutante.

É revigorante ver Chacal, o mutante covarde e servil, descrito como um inimigo cruel, astuto e ousado. Em duas ocasiões durante sua briga com Lion-O, Chacal se mete em problemas e chama o Senhor dos ThunderCats. Mas assim que ele é retirado do perigo, o vilão canino se torna impotente em deter seus instintos, que se voltam contra o socorrista. Mesmo quando Lion-O proclama que ele salvou o Mutante por causa do Código de Honra dos ThunderCats, a resposta sinistra de Chacal é: “Nós, Mutantes, não temos essa deficiência”.

A animação em “A Montanha” é de primeira qualidade. Sejam as fotos em ângulo baixo de Lion-O escalando a montanha, a vista aérea de Lion-O e Chacal caindo na cachoeira ou os close-ups extremos dos olhos do personagem, as imagens são deslumbrantes. Juntamente com o brilhante roteiro de Danny Peary, “A Montanha” é uma das melhores ofertas da saga ThunderCats. É uma pena que Peary não tenha escrito mais episódios porque, a julgar pelo trabalho emocionante desse episódio, ele poderia ter apresentado alguns outros ótimos exemplares de ThunderCats.

Escrito por Wilycub

Curiosidades

  • Mesmo que Mumm-Ra ameace destruir o Castelo Plun-Darr e expulsar os Mutantes para o exílio eterno se eles falharem desta vez, ele não coloca sua ameaça em prática.
  • A versão ThunderCats da criptonita (thundranium) também pode drenar a força do sinal do Olho.
  • Uma anomalia interessante de animação é vista com a Espada Justiceira neste episódio. Quando Chacal remove a Espada do Escudo Garra, está dormente, pequena. Mas imediatamente na cena seguinte, a Espada cresceu quase o dobro do tamanho e até as barras transversais estão enroladas para cima. A Espada permanece nesse estado até Lion-O recuperar sua posse perto do final do episódio.
  • A resposta de Chacal a Lion-O, “nunca faça um favor por um favor”, é um aceno para uma linha semelhante falada por Tygra em “A Cápsula do Tempo” quando ele diz: “Nunca espere um favor por um favor”. Portanto, os Mutants e ThunderCats têm algumas coisas em comum.
  • Depois que Lion-O resgata Chacal pela segunda vez, ele diz: “Eu não fiz isso por agradecimento”. É uma alusão ao episódio “Os Escravos do Castelo Plun-Darr”, em que o jovem Senhor diz exatamente a mesma frase depois de libertar os Bestiais.

Texto extraído de thundercats.org com tradução, complementos e adaptações de Luciano Marzocca