45. Feliner – Parte Dois

Escrito por Stephen Perry

Sinopse oficial
Os ThunderCats praticamente completaram sua espaçonave, o Feliner, mas não podem fazê-lo voar porque não possuem um megacondensador hiperespacial. Desesperado para devolver Snarfinho à sua casa, Snarf sugere que os ThunderCats possam encontrar um condensador nos destroços do Rato Estelar. O episódio segue os esforços do ThunderCats para recuperar esse componente vital, contra o Ratar-O, os Mutantes e o Mumm-Ra. Eventualmente, eles conseguem e partem para o Planeta dos Snarfs com Snarfinho. Até o último momento, parece que Snarf vai voltar com o sobrinho e deixará os ThunderCats para sempre. No último momento, no entanto, ele decide ficar com Lion-O.

Moral pelo Dr. Robert Kuisis
Inspirados pela ideia de Snarf, os ThunderCats vão atrás do megacondensador hiperespacial, necessário para terminar o Feliner e levar Snarfinho para casa, no Planeta dos Snarfs. Como a peça tem tanto valor para eles, ela também se torna objeto de busca tanto para Mumm-Ra quanto para Ratar-O. Como resultado, os ThunderCats são convidados a fazer um esforço extra para obtê-lo. Uma vez que o Feliner é finalizado, Snarf deve tomar uma decisão crítica ao optar por retornar com Snarfinho ao Planeta ou permanecer com os ThunderCats. Embora seus laços de parentesco e sua curiosidade o atraiam, ele finalmente decide que é sua vida atual com os ThunderCats que ele mais valoriza.

É uma marca de percepção ser capaz de apreciar e valorizar o que é bom em nossas vidas atuais, por exemplo, nossos pais, amigos e a realidades de nossa situação de vida. Às vezes, somos inclinados a achar que algo diferente seria melhor. Então, idealizamos o passado ou fantasiamos sobre o futuro. Ao fazer isso, perdemos uma apreciação do presente e nossa perspectiva sobre o que é bom em nossa realidade atual. Então, diferentemente dos ThunderCats, não fazemos esforços para cumprir nossas responsabilidades diárias e manter o que é de valor para nós. É importante ter em mente as coisas que valorizamos em nossas vidas, sejam nossos parentes, amigos ou grupos dos quais fazemos parte. E, ao fazer isso, é importante também não tomá-los como garantidos, mas fazer um esforço para sustentar nosso envolvimento com eles e mostrar nossa apreciação.

Elenco e personagens
Lion-O: Newton da Matta
Panthro: Francisco José
Tygra: Francisco Barbosa
Cheetara: Carmen Sheila
Wilykit: Marisa Leal
Wilykat: Nizo Neto
Snarf: Élcio Romar
Snarfinho: Márcio Simões
AbutreLuiz Feier Motta
Ratar-OOrlando Drummond
Escamoso: André Luiz “Chapéu”
Simiano: Paulo Flores
Chacal: Older Cazarré
Mumm-Ra: Silvio Navas

Locais em destaque: Toca dos Gatos, Castelo Plun-Darr, Planície da Fertilidade, destroços do Rato Estelar, Pirâmide Negra.

Veículos: Feliner, Rato Estelar, Mutanque, ThunderTanque.

Comentário oficial
Embora não seja exatamente o mesmo padrão gloriosamente alto da Parte Um, “Feliner – Parte Dois” é, no entanto, um exemplo realmente bom dos ThunderCats no seu melhor, misturando uma ótima história com belas animações e sequências de ação fantasticamente coreografadas. Memorável por muitas razões, este episódio está entre os melhores dos melhores do programa.

O aspecto mais notável de ambas as partes de “Feliner” é o caráter de exploração de Snarf e o insight dado a sua espécie. Em muitas séries animadas da década de 1980, personagens “pequenininhos” como Snarf seriam utilizados para dois propósitos, servindo como o “personagem infantil” do programa – um espelho do público que aprende uma lição da história e, assim, educa o público jovem do programa sem falar diretamente a eles – ou como alívio cômico.

O que torna o personagem de Snarf tão interessante é que ele nunca é usado para o primeiro objetivo – o “personagem infantil” nos ThunderCats era, exclusivamente, o herói da série, Lion-O. Embora Snarf fosse reconhecidamente usado por valor cômico, ele também trabalhou quando usado como um personagem sério e dramático como os outros ThunderCats, e há muito poucos episódios que mostram sua profundidade melhor do que este.

Parte do que torna o papel de Snarf nesse episódio tão eficaz é a realização do que o público conhece há muitos episódios – que Lion-O agora está totalmente crescido e não precisa mais de uma babá. Este é talvez o aspecto mais triste do personagem de Snarf. Seu lugar inicial entre os ThunderCats era o de um zelador, nem mesmo um ThunderCat real. O status inicial de Snarf dentro do grupo remonta a “Êxodo”, quando Jaga o exclui da lista de nobres ThunderCat que ensinarão a Lion-O as habilidades que ele precisa dominar – uma panorâmica que não passa despercebida somente pelo próprio Snarf! Isso muda, no entanto. Ao longo da série, o vínculo entre Snarf e Lion-O se estende a todos os outros ThunderCats, e em “Snarf Aceita o Desafio”, a equipe admite prontamente que Snarf é realmente um membro inestimável da equipe ThunderCat. O trágico para Snarf é que, além do valor, sua identidade dentro do grupo ThunderCat ainda está enraizada em cuidar de Lion-O e, à medida que o Lion-O se desenvolve e amadurece como adulto ao longo da série, Snarf se sente cada vez menos necessário.

Embora a maioria das melhores surpresas tenha sido usada em “Feliner – Parte Um”, o escritor Stephen Perry ainda consegue conjurar um pouco de mágica de contar histórias quando Snarf diz a Snarfinho que planeja voltar com ele ao Planeta dos Snarfs. A razão pela qual isso é brilhante é porque traz à tona todos os elementos delicadamente ferventes do personagem de Snarf mencionados acima, permitindo que todo o seu potencial dramático brilhe. A cena final e emocionante deste episódio é uma das mais emocionantes de toda a série, e inquestionavelmente a maior montanha-russa de emoções vista desde que o jovem Lion-O se despediu de Jaga em “Êxodo”. Não apenas a cena é executada com perfeição absoluta (o momento em que Snarf recua da mão estendida de Lion-O é devastadora), mas também conclui a evolução do lugar de Snarf nas fileiras dos ThunderCats. Embora seja verdade que Lion-O não precise mais de uma babá, o vínculo de amizade entre os dois personagens é tão grande quanto sempre foi.

Embora Snarf (e, em menor grau, Snarfinho) domine o processo neste episódio, a presença continuada do general Mutante Ratar-O também é notável. Ao longo deste episódio, muitas das bases estabelecidas na primeira parte de “Feliner” em termos do personagem de Ratar-O são realizadas. Desde sua série cruel enquanto torturava Escamoso, Chacal e Simiano, sua manobra calculada para manter o ThunderTanque em alcance de tiro, até a sensação de ameaça mortal que ele projeta ao enfrentar Lion-O, Ratar-O se destaca como o mais formidável Mutante que os ThunderCats já enfrentaram. Que seus planos acabem em fracasso é um testemunho mais da força dos ThunderCats do que da inaptidão dos Mutantes, o que não é algo que sempre se possa dizer dos vilões convidados.

Se este episódio tem uma fraqueza em sua trama, seria a inserção de Mumm-Ra. Embora possa ser visto como algo que ajuda a levar as coisas a um clímax dramático, na realidade é uma adição um pouco inútil, já que o envolvimento de Mumm-Ra não acrescenta praticamente nada à história. Pelo contrário, serve para diminuir o ritmo em que as coisas se movem, em vez de acelerar. O fato de sua saída do episódio ser tão dócil (completa com o discurso de saída clichê) reforça ainda mais a sensação de que a aparência de Mumm-Ra é mais para deixar mais lento o episódio do que para qualquer objetivo dramático real. Como já disse, é uma pena, pois é o único elemento que estraga um episódio extraordinário.

Embora fácil de ignorar ao dissecar a história, outro fator importante para esse episódio é a brilhante animação apresentada. As renderizações dos personagens são adoráveis, com algumas das imagens mais atraentes de Lion-O vistas na primeira temporada do programa aparecendo neste episódio. O episódio também apresenta um ótimo uso de efeitos de sombra e iluminação, que ajudam muito a melhorar a presença na tela de Ratar-O, acentuando bem o puro mal de seu personagem.

Embora seja justo dizer que “Feliner – Parte Dois” não corresponde ao brilhantismo da primeira parte, não há vergonha nisso. Como é, esse episódio é facilmente um dos melhores da segunda metade da primeira temporada do ThunderCats – mesmo para aqueles que não são fãs de Snarf.

Escrito por Chris (He-Fan)

Curiosidades

  • Sem contar “A Introdução Perdida”, este é o primeiro episódio dos ThunderCats a começar com uma recapitulação narrada. É uma tendência que continuaria em arcos com várias partes posteriores, começando com “ThunderCats Ho!”. Esta recapitulação é única, no entanto, na medida em que é reproduzida após o cartão de título e introduz perfeitamente a primeira cena do novo episódio.
  • A última cena de “Feliner – Parte Um” também aparece neste episódio, mas não onde você poderia esperar. Em vez de encerrar a recapitulação, é somente a quarta cena do episódio.
  • Um erro interessante de animação mostra o ThunderTanque partindo para recuperar o megacondensador hiperespacial dos destroços do Rato Estelar à noite, enquanto o restante do episódio ocorre durante o dia.
  • Ao viajar para o Castelo Plun-Darr (no topo do ThunderTanque, e não dentro dele), Snarfinho reage com surpresa à sugestão de Snarf de que ambos voltariam para casa no Planeta dos Snarfs. Tecnicamente, isso é um erro de continuidade, pois Snarf já havia conversado com Snarfinho sobre isso no início do episódio.
  • Quando Lion-O usa a Visão Além do Alcance para localizar o Rato Estelar, ele identifica o Mutanque pelo nome, e os outros ThunderCats demonstram a mesma familiaridade, como se Mutanques fossem uma arma comum dos plundarianos.
  • Lion-O é constantemente animado com sobrancelhas vermelhas ao longo deste episódio.

Texto extraído de thundercats.org com tradução e adaptações de Luciano Marzocca