44. A Espada no Precipício

Escrito por William Overgard

Sinopse oficial
Um S.O.S. da borda de um buraco negro no espaço profundo exige que Lion-O, Snarf e Cheetara saiam em resgate no Feliner. O Capitão Shiner, um mercenário espacial prussiano a serviço de Mumm-Ra captura Lion-O e Snarf. A Espada Justiceira é apreendida e o Sacerdote do Mal aparece, lançando a espada no buraco negro. Cheetara retorna à Toca para obter ajuda. Ela e Panthro finalmente retornam à Vertus e Panthro a aborda. Ele coloca a nave em curso do buraco negro, que, ao que parece, não passa de um “dispositivo espacial de limpeza” criado pelos venusianos há muitas eras. Eles resgatam a espada e Capitão Shiner parece afundar com o navio no rescaldo da aventura. Nos segundos finais, no entanto, ele é visto navegando um escaléu no espaço profundo.

Moral pelo Dr. Robert Kuisis
A tentativa complicada de Mumm-Ra de destruir a Espada Justiceira é frustrada pelo extraordinário trabalho em equipe exibido pelos ThunderCats. Cada um usa suas habilidades únicas em cooperação com os outros para o bem comum. Panthro, usando sua coragem e conhecimento da teoria científica, não mostra medo do desconhecido ao levar a nave que tomou ao buraco negro. E ele invoca seu conhecimento tecnológico para escapar. Lion-O mostra sua crença nos poderes de Jaga e da Espada e usa sua força de vontade para convocar a arma. Cheetara mostra sua determinação e perseverança em não desistir deles quando após desaparecem no buraco negro. E mesmo o mercenário Shiner, que originalmente estava em conflito com os ThunderCats, age em nome deles e de sua própria espaçonave quando encontram os detritos espaciais. Como resultado da cooperação, a espada é resgatada e os ThunderCats podem voltar para casa.

A cooperação é um requisito básico e necessário para manter o bem-estar e a estabilidade da sociedade. Uma norma de reciprocidade governa nossas interações e é universalmente encontrada em todos os códigos morais. As pessoas ajudam aqueles que os ajudam e não prejudicam aqueles que os ajudaram (Gouldner, 1960). Além disso, quando dois ou mais grupos da sociedade estão em conflito, diante de objetivos convincentes que atraem os dois grupos e precisam da energia de ambos para serem alcançados, o conflito é reduzido e a cooperação é estabelecida (Sherif, 1958). Temos muito a ganhar quando procuramos trabalhar em cooperação com os grupos que contatamos em nossas vidas diárias. Devemos procurar tornar nossas interações cooperativas, não apenas quando confrontadas com uma meta ou crise super ordenada, mas no curso normal dos eventos. Ao fazê-lo, nós, como indivíduos e a sociedade como um todo, nos beneficiamos.

GOULDNER, A. W. (1960). “The Norm of Reciprocity: A Preliminary Statement.” American Sociological Review, 25, 161–179.

SHERIF, M. (1958). “Superordinate Goals in the Reduction of Intergroup Conflict.” American Journal of Sociology, 63, 349–356.

Elenco e personagens
Lion-O: Newton da Matta
Panthro: Francisco José
Tygra: Francisco Barbosa
Cheetara: Carmen Sheila
Wilykit: Marisa Leal
Wilykat: Nizo Neto
Snarf: Élcio Romar
Jaga: Garcia Neto
Mumm-Ra: Silvio Navas
Capitão Shiner: Olney Cazarré
Prussianos: Philippe Maia
NETUNO: Marcos Miranda

Locais em destaque: Toca dos Gatos, buraco negro.

Veículos em destaque: Feliner, Nave Espacial Vertus, escaléu espacial.

Comentário oficial
Como já foi dito antes, William Overgard é considerado por muitos fãs do ThunderCats um dos escritores mais fracos da série. Para ser justo com esse ponto de vista, sua produção nas temporadas posteriores da série seria um dos materiais mais bizarros que já apareceram em ThunderCats. Entretanto, onde isso é lamentável, ele ofusca vários dos excelentes episódios em que Overgard contribuiu para a primeira temporada, incluindo este excelente esforço.

Vale ressaltar que os vilões das séries animadas desse período tendem a ser muito unidimensionais. A maioria seria apenas flagrantemente má, apenas algumas notas acima de vilões simplistas dos desenhos animados, como Dick Vigarista (Corrida Maluca) ou Snidely Whiplash (Polícia Desmontada), enquanto outros seriam almas equivocadas que, pela resolução do episódio, teriam visto completamente o erro de seus caminhos e juraram o mal. Neste episódio, somos apresentados ao Capitão Shiner, um personagem que, incomumente, não se encaixa em nenhum desses moldes. Nem puro mal nem puro bem, Shiner é simplesmente um mercenário, um personagem com pouca moral suficiente para trabalhar com Mumm-Ra pelo preço certo. Na conclusão do episódio, no entanto, Shiner demonstrou ser corajoso e ter um senso de honra distorcido, afundando com sua nave depois de ordenar que os ThunderCats se salvassem. Embora ele não tenha recebido uma grande quantidade de material substancial neste episódio, o Capitão Shiner é, no entanto, um dos mais interessantes dos inimigos dos ThunderCats. É quase uma pena que em sua próxima aparição, em cinco partes, “ThunderCats Ho!”, Shiner tenha sido interpretado muito mais como um vilão sem escrúpulos do que como o mercenário intrigante que ele é neste episódio.

Embora o conceito ThunderCats-no-espaço tenha sido abordado no início da série (principalmente em “Mandora e os Piratas”, também escrito por William Overgard), este episódio marca a primeira incursão apropriada em um novo tipo de aventura de ThunderCats, graças ao primeiro passeio apropriado da nova nave dos ThunderCats, o Feliner. A introdução do Feliner na série foi inteligente, permitindo que histórias como essa evoluíssem naturalmente sem personagens convidados adicionais ou ginástica de enredo complicada. Por exemplo, antes da introdução do Feliner, um episódio como esse exigiria a presença de um personagem convidado espacial, como Mandora, ou um motivo para a nave de Shiner parar no Terceiro Mundo. Com o Feliner estabelecido como um veículo ThunderCat regular, a ação espacial deste episódio pode começar imediatamente.

Quanto à própria história, ela consegue ser inovadora e conectada a eventos estabelecidos. Nos primeiros episódios da série, o principal objetivo de Mumm-Ra era possuir o Olho de Thundera para si; mas, após suas inúmeras tentativas malsucedidas de assumir o domínio do Olho de Thundera, Mumm-Ra começa a tentar destruir a fonte de poder dos ThunderCats mais do que qualquer outra coisa. Essa mudança tática é muito sublinhada por este episódio. Talvez uma das maiores realizações desse episódio seja que realmente parece que Mumm-Ra conseguiu seu objetivo. É difícil para o público imaginar como um objeto tão pequeno quanto uma espada poderia ser recuperado de dentro de um buraco negro, o epítome do mistério e uma parábola digna da desesperança. A explicação do episódio para o que está dentro de um buraco negro pode parecer um retrocesso em direção à ficção científica da década de 1950, mas é estranhamente eficaz no contexto e ajuda a dar a esse episódio um sabor único e memorável.

Isso não quer dizer que este episódio não tenha falhas. Certamente, existem alguns elementos no script que poderiam ter sido alterados por realismo – ou pelo menos realismo comparativo – o mais óbvio deles é a capacidade dos ThunderCats de respirar e falar no espaço. Embora não seja a primeira ou a única vez que o vimos, o conceito de personagens capazes de respirar no espaço é motivo de muita zombaria até dos fãs mais obstinados da série. Muitos buracos aparentes na trama podem ser explicados pelo pensamento criativo, mas não há muitas teorias fáceis de engolir que expliquem como seres humanóides de carne e osso como os ThunderCats seriam capazes de sobreviver sem ar, principalmente quando, em Êxodo, Leonard Starr estabeleceu a importância da compatibilidade atmosférica para um novo planeta natal. Outro toque menor que não parece verdadeiro é o reconhecimento imediato do café por Lion-O quando a bordo do Vertis. Embora o Terceiro Mundo possa ser uma versão pós-apocalíptica de nossa Terra, o café não foi mencionado em nenhum momento da série anterior a este episódio, e parece estranho Lion-O reconhecê-lo.

Essas queixas à parte, este é realmente um episódio muito bom e memorável que merece mais aplausos do que o crédito do escritor pode permitir. Amaldiçoado com algumas falhas muito pequenas, é importante reconhecer que essas coisas não ofuscam o que é, caso contrário, um episódio extremamente memorável, único, divertido e bem pensado.

Escrito por Chris (He-Fan)

Curiosidades

  • Neste episódio, podemos ver o Feliner em ação pela primeira vez, embora em ordem de produção a construção do Feliner não seja concluída até o próximo episódio.
  • Este episódio marca a primeira aparição do Capitão Shiner, e sua única aparição na primeira temporada. Embora os eventos finais deste episódio indiquem que sua nave foi destruída, ele e o Vertis retornariam em “ThunderCats Ho!”. Ele deve ter reconstruído a nave nos meses seguintes, ou feito uma nova versão, uma “Vertis-A”.
  • Ao realizar a cerimônia de expulsão para lançar o Olho de Thundera em um buraco negro, o encantamento de Mumm-Ra faz referência a três seres da mitologia egípcia genuína: a deusa da água, Anqet; o deus chacal da mumificação, Anúbis; e Apophis, o antigo demônio egípcio do caos.
  • Este episódio oferece uma teoria altamente original sobre a origem dos buracos negros que alude a uma antiga civilização espacial de Vênus. Esta é a segunda alusão de Overgard a Vênus – em “Mandora e os piratas”, aprendemos que a capa de Quick-Pic foi um presente do califa de Vênus!
  • Independentemente de ter sido planejado ou não no script, a animação e a linha de leitura de Bob McFadden de “Jaga” indicam que Snarf é capaz de ver Jaga neste episódio.
  • Tygra avisa Cheetara que ela está quase sem combustível e, mais tarde, ela admite que fez um passe final antes que o combustível acabasse. Os ThunderCats podem voltar para casa, então, ou existe um tanque de combustível secundário que o Feliner usa para a viagem de volta para casa, ou megacondensadores hiperespaciais são super estranhos.

Texto extraído de thundercats.org com tradução e adaptações de Luciano Marzocca