4. Os Escravos do Castelo Plun-Darr

Escrito por Leonard Starr

Sinopse oficial
Este é o batismo de fogo do Thundertanque: libertar os Bestiais da escravidão. Os Mutantes estão usando-os para construir o maléfico Castelo Plun-Darr. Escamoso usa “gás perverso” para transformar os Bestiais mansos em monstros agressivos. Usando a Espada Justiceira, Lion-O vê Panthro em apuros.. A Espada forma um campo de energia que empurra o gás perverso de volta para os Mutantes, que se tornam mansos. Os Bestiais são libertados e os ThunderCats triunfam mais uma vez sobre o mal e a tirania.

Moral pelo Dr. Robert Kuisis
A liberdade é um direito pessoal básico que deve ser respeitado. Lion-0 aprende que a escravização dos outros para os próprios propósitos deve ser combatido. Ele descobre que a justeza das ações traz sua própria recompensa, além de qualquer recompensa ou gratidão que possa ser recebida de outros.

O mais alto nível de consciência moral é aquele em que o valor moral reside na conformidade do eu com padrões, direitos e deveres compartilhados. É um nível além do qual o valor moral reside em desempenhar papéis bons ou certos, na manutenção da ordem convencional e na expectativa de outros. No nível mais elevado, a moralidade é baseada em princípios universais (Kohlberg, 1963).

KOHLBERG, L. The development of children’s orientation toward a moral order: 1. Sequence in the development of moral thought. Vita Humana, 1963, 6, 11-33.

Elenco e personagens
Lion-O: Newton da Matta
Panthro: Francisco José
Tygra: Ricardo Juarez
Cheetara: Carmen Sheila
Wilykit: Marisa Leal
Wilykat: Nizo Neto
Snarf: Élcio Romar
Jaga: Garcia Neto
Escamoso: André Luiz “Chapéu”
Simiano: Paulo Flores
Chacal: Older Cazarré
​Ro-Ber Bill: Nelson Batista
BerbilsEarl Hammond (manteve-se o original)
Bestiaisreptilóides, chacais, simianos “genéricos”: personagens mudos, sons mantidos do original em inglês.

Veículo em destaque: Thundertanque.

Locais em destaque: Toca dos Gatos, Castelo Plun-Darr,

Comentário oficial
Este episódio é muito difícil de resumir, porque, como “Berbils” (o episódio que imediatamente o precede), é um episódio que você tem que olhar em contexto. O enredo do episódio é bastante simples – os Mutantes escravizam uma raça de seres simples para ajudá-los a construir uma fortaleza, e os ThunderCats têm que libertar os escravos dos Mutantes. Existem outros episódios da série ThunderCats que são mais imaginativos em seu escopo, mas onde esse episódio é essencial e excelente é definir o tom para o resto da série e mover a série em termos de continuidade, mostrando tanto os ThunderCats quanto os Mutantes se estabelecendo adequadamente no Terceiro Mundo.

Este episódio quase poderia ser considerado como o primeiro episódio “regular” de ThunderCats – enquanto os três primeiros episódios se concentram em ThunderCats ‘fugindo de Thundera e tentando construir uma vida para si no Terceiro Mundo’, “Os Escravos do Castelo Plun-Darr” é, na verdade, o primeiro episódio que mostra como eles são verdadeiramente ativos na defesa do povo de seu novo lar. Embora defendessem os Berbils de seus inimigos naturais, o envolvimento inicial de Lion-O nisso foi um acidente, embora um acidente com consequências muito afortunadas – enquanto que, quando os ThunderCats ouvem da escravização dos Bestiais, eles não hesitam em saltar em sua defesa . Para os ThunderCats, este seria o início de um longo processo de fazer amigos e ganhar confiança dos vários povos e raças do Terceiro Mundo, um tema revisitado muitas vezes ao longo destes episódios iniciais.

Embora fácil de ignorar, este episódio também está cheio de toques de caráter adorável que ajudam a conhecer ainda mais os heróis felinos do show. A cena de abertura, mostrando WilyKat e WilyKit brincando entre as árvores é uma delícia, mostrando como adaptáveis ​​os jovens Thunderkittens são e como a inocência da juventude lhes permite instantaneamente desfrutar de seu novo ambiente. Este episódio é também uma vitrine fantástica para Lion-O, mostrando quão rapidamente ele está amadurecendo e deslizando confortavelmente em seu papel como Senhor dos ThunderCats diante de nossos olhos. Lion-O ainda está cheio de orgulho de leão, a cena onde ele se recusa a correr dos Bestiais mostra que seu orgulho ainda deve ser totalmente temperado pela sabedoria – e ainda, de alguma forma, Lion-O parece cada vez mais confortável interagindo com seus companheiros ThunderCats, olhando cada vez menos como uma criança no corpo de um homem e mais como o líder confiante que ele se tornará.

Embora possa ser argumentado que este episódio é dono de um mote um pouco sem imaginação, na minha opinião, um enredo mais complicado poderia simplesmente ofuscar algumas das coisas importantes que ocorrem neste episódio, como os ThunderCats crescendo em seus papéis como protetores do Terceiro Mundo, o desenvolvimento do personagem mencionado acima, e também várias cenas importantes mostrando os ThunderCats e Mutantes estabelecendo-se no Planeta com suas respectivas bases, Toca dos Gatos e Castelo Plun-Darr. As duas bases são mostradas para o público em poucos minutos uma da outra, e o contraste entre os dois é estabelecido – enquanto a Toca dos Gatos é cercada por luz do sol e céu claro, o Castelo Plun-Darr está envolto em melancolia; enquanto a Toca dos Gatos está orgulhosa e em pé, a fortaleza dos Mutantes assume uma pose ameaçadora. A ausência de Mumm-Ra neste episódio também é um passo inteligente, pois concentra a atenção do público nas duas raças alienígenas, os ThunderCats e os Mutantes – com as duas partes devidamente estabelecidas no Planeta, a batalha está verdadeiramente pronta para iniciar!

Como eu disse, este é um episódio muito difícil de resumir, mas no entanto é aquele que adiciona muitos ingredientes importantes e emocionantes para a série ThunderCats, e serve como uma vitrine de entretenimento para muitos dos personagens principais da série.

Escrito por Chris (He-Fan)

Curiosidades

  • “Os Escravos do Castelo Plun-Darr” é o último dos quatro episódios introdutórios de ThunderCats, e é também o último episódio para compor o home video “filme” versão de “Êxodo”. Ao contrário dos episódios que o precedem, este aparece no “filme” sem edições ou adições principais a nenhuma das cenas encontradas no episódio autônomo. No entanto, há algumas alterações na trilha sonora, como aparece no “filme”, ​​com várias cenas refeitas e também com a curiosa omissão da declaração do Panthro de que o Thundertanque parece estar passando “com louvor em seu teste experimental”.
    .
  • Das cenasrefeitas para este episódio, como aparece no lançamento do filme “Exodus”, talvez o mais notável seja a cena de luta entre Panthro e Escamoso, que, em vez de apresentar a versão mais comum da música tema do ThunderCat, no “filme” apresenta a segunda metade dela. Este segmento de música é muito raro, e quase nunca usado (a exceção é “Mestre dos Sonhos” do final da temporada 1). Infelizmente, o episódio independente usa apenas o segmento mais comum da música tema do Panthro.
    .
  • O script original para este episódio mostra que a aparência dos Bestiais passou por algumas mudanças ao fazer a transição para tela, descrevendo-as como “um pouco maior do que o tamanho humano normal, muscular de forma indefinida”, com “nenhum pescoço de que falem, pedaços estranhos de pêlos brotando de seus corpos sem querer, e embora a cor de seu cabelo seja predominantemente cinza, ela varia. Seus rostos foram descritos como “olhando como se tivessem começado a ser esculpido mas nunca completado”. Isso possivelmente explica a descrição de WilyKit dos Bestiais para os outros ThunderCats, onde ela afirma que eles parecem como se fossem feitos de “partes sobrando”, uma descrição um pouco estranha para as criaturas vistas no episódio.
    .
  • Este é o único episódio da 1ª temporada dos ThunderCats, onde os Bestiais desempenhariam um papel significativo – eles seriam usados no “Mumm-Ra Vive! 5ª parte” da 2ª temporada, desta vez ajudando os Lunataks a construir sua fortaleza, Skytomb!
    .
  • Na cena em que os Thunderkittens estão descrevendo o que viram aos outros, o roteiro deste episódio se refere a Ro-Ber-Bill pelo nome “Coo-Ber-Bill”! É altamente provável que este foi um início, um protótipo de nome para o líder Berbil.
    .
  • Mais tarde, na mesma cena, o script para este episódio também mostra uma breve troca de diálogo entre os quatro adultos ThunderCats que foi cortado do episódio final. A coisa mais notável sobre o intercâmbio é Lion-O franzindo a testa quando Tygra está informando que os Mutantes escravizaram os Bestiais e comentando “Isso não está certo, não é?”, para o que Panthro, rindo e esfregando as mãos alegremente, responde: “não”. Cheetara expressa surpresa que Panthro parece satisfeito, e o engenheiro ThunderCat informa que não é que ele está satisfeito com a captura dos Bestiais, mas que ele está morrendo de vontade de dar ao Thundertanque um teste real. É possível que, a causa da fala de Lion-O ter sido cortada foi fazê-lo parecer menos maduro, reagindo à escravização de uma maneira bastante infantil. Isso poderia indicar que os escritores estavam inseguros nesta fase inicial de como desenvolver o personagem Lion-O. Esta fala perdida também acrescenta mais significado à realização do Lion-O no final do episódio, quando ele lutou para libertar os Bestiais não por agradecimento, mas “porque era a coisa certa a fazer”.​
    .
  • No script original para este episódio, a cena onde os Mutantes são mostrados pela primeira vez ordenando aos Bestiais voltarem ao trabalho, é descrito em detalhes. O script faz grandes esforços para enfatizar que, enquanto as ações dos Mutantes são ameaçadoras, “em nenhum momento eles realmente atingem os Bestiais”. Este é um reflexo de quão seriamente os escritores de ThunderCats tomaram a representação (ou melhor, “não-retrato”) da violência na série.

Texto extraído de thundercats.org com tradução e adaptações de Luciano Marzocca

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *