31. A Prisão Astral


Escrito por Peter Lawrence

Sinopse oficial
Jaga
é capturado por Nemex, o Carcereiro Astral. Apenas Lion-O pode salvá-lo. Ele pede à Netherbruxa para transportá-lo para o Mundo Astral. O que ele ignorava é que a Netherbruxa, na verdade, é outra manifestação da Mumm-Ra. Tendo aprisionado Lion-O no Mundo Astral, Mumm-Ra encoraja os Mutantes a atacarem a Toca dos Gatos, usando o Canhão de Thundranium de Abutre. Lion-O consegue resgatar Jaga de Nemex. Na sequência, liberta também Brodo, um antigo bruxo e inimigo de longa data da Mumm-Ra. Brodo é capaz de devolver Lion-O ao Terceiro Mundo a tempo de destruir o Canhão de Thundranium, reunir os ThunderCats e derrotar os Mutantes.

Moral pelo Dr. Robert Kuisis
Lion-O exibe grande bravura e força interior em confrontar o desconhecido. Ele está disposto a assumir os riscos exigidos para resgatar Jaga, que em cativeiro no Mundo Astral está resistindo aos esforços de Nemex para privá-lo de seu conhecimento e autonomia. Lion-0 entra nessa dimensão, onde as coisas são menos tangíveis para ele do que a matéria. Para nós, às vezes é preciso muita coragem para entrar em nosso próprio mundo interior de sentimentos e emoções quando nos deparamos com nossos desejos e medos. Muitas vezes estes são desconhecidas e pouco claros para nós. Somente quando reconhecemos esse lado do sentimento de nós mesmos podemos integrar os desejos e medos em nossas vidas. Se não os enfrentamos, corremos o risco de entrar em conflito conosco mesmos e, como Jaga em cativeiro, de perder nossa autodeterminação ao sermos dominados por nossos impulsos internos. Reconhecer nossas emoções nos permite integrá-las em nossas vidas e estar no controle de nossos sentimentos e ações.

Uma segunda lição que é revelada neste episódio envolve a reciprocidade em dar e receber dos outros. Lion-O é levado à escolha de ajudar Jaga por causa da gratidão que ele sente como uma consequência de tudo o que recebeu dele. E Brodo, que deve sua liberdade a Lion-O, compensa devolvendo-o ao Terceiro Mundo. Devemos estar conscientes daqueles que nos deram e estar preparados para retribuir e reconhecer nossa gratidão.

Elenco e personagens
Lion-O: Newton da Matta
Panthro: Francisco José
Cheetara: Carmen Sheila
Wilykit: Marisa Leal
Wilykat: Nizo Neto
Snarf: Élcio Romar
Jaga: Garcia Neto
Mumm-Ra: Sílvio Navas
Escamoso: André Luiz “Chapéu”
Simiano: Paulo Flores
Chacal: Older Cazarré
Abutre: Luiz Feier Motta
Netherbruxa: Adalmária Mesquita
Nemex: Nelson Batista
Brodo: Ronaldo Magalhães

Locais em destaque: Toca dos Gatos, Mundo Astral, Ponte do Lodo, Rio do Desespero, Abismo da Netherbruxa.

Comentário oficial
Desde a primeira aparição de Lion-O, no episódio piloto “Êxodo” de ThunderCats, é estabelecido que existe uma relação muito especial entre Lion-O e Jaga. Embora o pano de fundo para isso nunca seja explorado em grande detalhe, é provável que esse vínculo tenha se desenvolvido através de Jaga servindo como o preceptor de Lion-O, enquanto o pai de Lion-O, Claud-Us, estava preocupado com outras causas. No entanto, desenvolver a relação entre esses dois personagens seria um dos mais tocantes e memoráveis ​​de toda a série ThunderCats, e, como tal, era apenas uma questão de tempo antes de um episódio como “A Prisão Astral” surgir.

Indiscutivelmente um dos momentos mais angustiantes, memoráveis ​​e talvez até chocantes da série ThunderCats é quando Jaga morre – apesar de bem tratado, no entanto a morte de Jaga é poderosa e comovente, e ainda assim parte do que a torna tão palatável é ver a forma espiritual. de Jaga retornar quase imediatamente como um mentor e guia para Lion-O, mostrando assim que, no universo dos ThunderCats, a morte é apenas um caso de passar de um plano de existência para outra, ao invés de simplesmente desaparecer da existência. Obviamente, esta linha de pensamento deve muito a uma variedade de crenças religiosas diferentes, mas também serve a uma valiosa função de história, fornecendo a Lion-O o seu próprio mentor pessoal que fala sempre diretamente com ele. O desenvolvimento do personagem de Lion-O dentro da série depende muito disso. Uma das coisas que torna “A Prisão Astral” um episódio tão memorável é que, em muitos aspectos, ele basicamente explora o conceito de vida após a morte do universo dos ThunderCats, mostrando-o como um plano de existência que é possível para um ser mortal como Lion-O viajar e interagir.

Enquanto o previsível feito com este episódio seria a captura de Jaga no Mundo Astral ser um esquema de Mumm-Ra a fim de permanentemente separar Lion-O (e assim a Espada Justiceira) dos ThunderCats para sempre, na verdade o enredo é feito um pouco mais original e verossímil ao mostrar Mumm-Ra meramente aproveitando a oportunidade que a captura de Jaga se lhe apresentou. No entanto, este é um episódio muito poderoso para Mumm-Ra, pois mostra de forma abrangente que força de longo alcance ele é e tem sido no Terceiro Mundo – que seu disfarce como o Netherbruxa deve ser quase tão bem conhecido (e talvez anterior à chegada dos ThunderCats no Terceiro Mundo) do que o próprio Mumm-Ra mostra o quanto sua influência maligna tem sido parte da vida no Terceiro Mundo por um longo período de tempo. Isto é ainda mais estabelecido quando somos apresentados a Brodo, um ser banido por Mumm-Ra para o Mundo Astral por ser uma ameaça ao seu poder. Além disso, embora seja tratado de uma maneira sutil, este episódio mostra o quão poderoso Mumm-Ra é capaz de ser, com ele exibindo o poder de transportar seus inimigos para o Mundo Astral, não apenas a um outro plano de existência, mas, para colocá-lo numa perspectiva de “mundo real”, equivalente à habilidade de um feiticeiro de transportar seus inimigos deste mundo diretamente para o Céu ou para o Inferno.

Aquele Lion-O estava tão disposto a efetivamente fazer um acordo com o diabo e embarcar em uma jornada sem retorno à vida após a morte, que mostra quão profundo é o vínculo entre o jovem lorde e seu mentor, e também, talvez, quanto Lion-O confia nos conselhos de Jaga para desempenhar efetivamente seu papel como Senhor dos ThunderCats. No entanto, é razoavelmente certo que esta última razão é apenas na parte secundária da mente do Lion-O, se é que o pensou, antes de fazer a perigosa jornada. O próprio Mundo Astral e a Prisão Astral que vemos são, na verdade, bastante diretos e, em muitos aspectos, é uma vergonha que nos seja mostrada uma parte tão pequena – dado que parece que aqueles que lá residem vivem em estruturas reminiscentes de casas ou outros edifícios (pelo menos como é evidenciado pela existência de um prédio da prisão). Teria sido agradável ver onde Jaga residia, bem como outras áreas do Mundo Astral, ao invés de apenas a prisão e a área ao redor. No entanto, na realidade isso teria levado o tempo de tela para longe de outros aspectos importantes deste episódio.

O sub-enredo sobre o Canhão de Thundrainium de Abutre é um pouco previsível, e ainda é altamente necessário para adicionar uma sensação de drama à ausência de Lion-O. No entanto, apesar da natureza ligeiramente previsível do perigo apresentado pela invenção de Abutre e o ataque dos Mutantes à Toca dos Gatos, toda a sequência é tratada extremamente bem e com um verdadeiro sentido de ameaça presente, mostrando que, apesar de sua juventude e relativa inexperiência, a liderança e as habilidades de Lion-O são realmente um componente central na sobrevivência dos ThunderCats.

Visualmente, este episódio é lindamente animado – embora não haja muito sombreado nas células (isto é, a arte dos personagens principais tende a ser colorida com cores sólidas, em vez de áreas de brilho e sombras adicionadas), as renderizações reais dos personagens e a fluidez de seus movimentos são uma alegria de se ver, aumentando muito o prazer geral desse episódio já muito divertido.

Eu não faço segredo do fato de que “A Prisão Astral” é um dos meus episódios favoritos, por muitas razões – assim como explorar (pelo menos superficialmente) a relação entre Lion-O e Jaga, também apresenta grande ação, grande drama e uma variedade de cenas altamente memoráveis. Como muitos desses primeiros episódios, “APrisão Astral” é um clássico que nenhum fã de ThunderCats deve ficar sem ver.

Escrito por Chris (He-Fan)

Curiosidades

  • O roteiro original deste episódio afirma que o Lion-O abre a porta da Câmara Espiritual por um painel secreto, e encaminha os animadores para o episódio “Pumm-Ra”, que mostra o Mumm-Ra abrindo a Câmara da Espada dessa maneira!
  • O roteiro deste episódio fornece uma descrição do personagem Nemex que difere radicalmente da versão mostrada no episódio completo, descrevendo-o como sendo fantasma e “levemente translúcido”, e com ele usando um manto.
  • Embora não tenha sido nomeado no episódio em si, o roteiro deste episódio revela que a criatura de duas cabeças que Lion-O batalha ao atravessar a Ponte do Lodo é na verdade a Gaw-Rak-Rak fazendo sua segunda aparição (a primeira tendo sido em “ Segundo Dia de Ungido de Lion-O: A Prova da Velocidade).
  • Este episódio marca uma das únicas ocasiões em que vemos o Castelo Plun-Darr com suas asas de pedra envoltas em uma postura de morcego – mais tarde, elas são mostradas se desdobrando, revelando o Castelo em sua pose padrão. Isso provavelmente foi feito para adicionar uma sensação de drama à partida dos veículos Mutantes, particularmente do Canhão de Thundrainium do Abutre. Curiosamente, devido a esta sequência de animação, esta é também uma das únicas ocasiões em que o próprio Castelo Plun-Darr é mostrado como uma célula única e não como um fundo pintado.
  • Um erro de animação único visto quando Lion-O cai no Abismo da Netherbruxa mostra a insígnia de ThunderCat no cinturão dele com as cores invertidas – então, um símbolo vermelho de ThunderCat contra um fundo preto! O mesmo erro de coloração aparece novamente mais tarde, quando Lion-O, Jaga e Brodo escapam pela primeira vez da Prisão Astral, só que desta vez é o logo do uniforme de Jaga que exibe as cores invertidas.
  • Ao introduzir o Monstro do Fosso Astral, o roteiro original deste episódio remete os animadores a um esboço da LJN, a empresa responsável pela linha de brinquedos de ThunderCats. Isso indicaria que o caráter e o design do Monstro do Fosso Astral se originaram da empresa de brinquedos, em vez da empresa de brinquedos produzir a figura baseada na aparência do Monstro neste episódio.
  • Esta é a única vez na série que a forma sólida de Jaga é vista ao lado do adulto Lion-O. Curiosamente, no roteiro original deste episódio, ao longo de seu tempo no Mundo Astral, Lion-O foi originalmente planejado para ser mostrado em uma forma mais fantasmagórica, mantendo o conceito original para o personagem Nemex – de fato, quando Lion -O está no Mundo Astral, o roteiro às vezes até se refere a ele como “o espírito de Lion-O”.
  • Mesmo que Nemex grite para seus guardas, Lion-O fala de escapar da prisão “antes de Nemex reunir suas forças”, e os passos dos guardas são ouvidos atrás de Lion-O, Jaga e Brodo. Mesmo assim, quando eles escapam, nenhum guarda real é visto.
  • No roteiro original, Brodo foi descrito como tendo cabelo vermelho em vez de branco. Também revela que, durante a sequência, quando Brodo transporta Lion-O de volta para o Terceiro Mundo, este ato faria com que ele voltasse a parecer um homem muito mais jovem e mais forte.
  • Quando este episódio foi adaptado em forma de livro pela Time Books no Reino Unido, a história foi re-intitulada “The Invisible Castle”.

Texto extraído de thundercats.org com tradução e adaptações de Luciano Marzocca

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *