59. Os Gatinhos em Apuros

Escrito por Kimberly B. Morris

Sinopse oficial
Em um esforço para provar que eles são dignos de serem ThunderCats, os ThunderKittens tomam emprestado as armas dos colegas e praticam com elas. Os Mutantes, que tomam posse das armas, os emboscam. Wilykit e Wilykat mantêm o “empréstimo” e a perda em segredo de Lion-O e vão ao Castelo Plun-Darr sozinhos para recuperar as armas. Eles surpreendem Simiano quando ele em vão posa na frente de um espelho com o nunchaku de Panthro. Os vilões atacam e os ThunderKittens fogem de volta à Toca usando suas cordas. Os dois retornam mais tarde com Lion-O para retomar seus pertences dos Mutantes. Lion-O chama os outros ThunderCats usando a Espada, então uma bola de fogo mutante faz com que ele a solte. Os “gatinhos” são capazes de subjugar seus inimigos, primeiro com uma de suas cordas, que causa uma onda de água, depois com a outra, que envolve os Mutantes em gás hilariante. Os ThunderCats, enfim, recuperam suas armas.

Moral pelo Dr. Robert Kuisis
Wilykat e Wilykit, tentando provar que são adultos, pegam secretamente as armas dos ThunderCats adultos para aprender como usá-las. No entanto, quando os Mutantes os descobrem, eles perdem as armas em uma escaramuça. Eles retornam à Toca dos Gatos, com vergonha do que fizeram e com medo de punição. Com esse medo, eles decidem correr o alto risco de invadir o Castelo Plun-Darr sozinhos para tentar recuperar as armas. Mas eles são repelidos pelos Mutantes e retornam novamente à Toca. Finalmente, eles assumem o que fizeram ao admitir suas ações a Lion-O. Depois de uma breve expressão de raiva, Lion-O não procura puni-los, mas planeja uma maneira em que eles possam recuperar as armas. Eles são bem-sucedidos nisso e, em um ato de perdão, Lion-O os protege, não revelando aos outros ThunderCats o que aconteceu.

Às vezes, somos apanhados na mesma sequência de eventos que Wilykat e Wilykit experimentaram. Tentando crescer, tentamos impulsivamente algo tolo que está além de nossas habilidades. Muitas vezes, isso leva a algum acidente. E, com medo de descobertas e punições, evitamos confessar o que fizemos ou fazemos outra coisa para tentar desfazer o ato original. Há outra sequência de eventos possível, que podemos aprender com Wilykat e Wilykit. Começa por não começar com a suposição de que nossos pais ou autoridades tratarão nosso infortúnio, mostrando-nos desaprovação e punição. Frequentemente, como Lion-O, eles não reagem com raiva, mas com compreensão e perdão. Então, quando isso acontecer, não sentiremos que precisamos individualmente negar o ato ou tentar secretamente corrigi-lo. Em vez disso, nossos pais ou autoridades nos ajudarão a assumir a responsabilidade e a trabalhar conosco para melhorar as coisas. Não devemos assumir que as autoridades agirão negativamente. Reconhecer isso pode ser uma lição inteligente, que nos poupará de mais acidentes tolos e facilitará a responsabilidade por nossas ações.

Elenco e personagens
Lion-O: Newton da Matta
Panthro: Francisco José
Tygra: Francisco Barbosa
Cheetara: Carmen Sheila
Wilykit: Marisa Leal
Wilykat: Nizo Neto
Snarf: Élcio Romar
Escamoso: André Luiz “Chapéu”
Simiano: Paulo Flores
Chacal: Older Cazarré

Locais em destaque: Floresta; Toca dos Gatos; Castelo Plun-Darr.

Veículos: Feliner.

Comentário oficial
Na maioria dos episódios de ThunderCats, Wilykit e Wilykat são relegados a trabalhar como ajudantes dos ThunderCats adultos. Existem algumas exceções nas quais os ThunderKittens podem executar uma missão. Mas criar um episódio inteiro apenas com os gêmeos problemáticos não é brincadeira de criança. Como resultado, a maioria dos escritores segue uma trama básica que envolve as travessuras dos ThunderKittens, resultando em confusão e suas tentativas subsequentes de corrigir o pandemônio.

Em seu episódio de estréia, a escritora Kimberly B. Morris decide jogar pelo seguro. Querendo provar que eles são tão valiosos quanto os ThunderCats adultos, Wilykit e Wilykat roubam suas armas e vão para a floresta para tentar dominar seu uso. É uma visão divertida ver as tentativas fracassadas dos gatinhos de controlar o arsenal dos adultos. Sua sessão de treinos é interrompida quando os Mutantes, que por coincidência também estão passeando pela floresta, aparecem e pegam as armas dos ThunderCats com tanta facilidade quanto pegar doces de gatinhos!

Envergonhados e cheios de culpa, os ThunderKittens retornam à Toca dos Gatos e confiam em Lion-O que, apesar de estar extremamente irritado, mostra uma quantidade considerável de autocontrole e se concentra em resolver o problema em vez de fazer uma longa repreensão. É a criança dentro de Lion-O que o torna mais empático com as ações dos gêmeos do que qualquer outro ThunderCat adulto. Afinal, o próprio Lion-O foi responsável por orquestrar várias brincadeiras semelhantes que causaram problemas.

À medida que os três mais jovens dos ThunderCats embarcam em uma operação especial para recuperar suas armas, a plateia recebe uma rara visão sobre o Castelo Plun-Darr. Os Mutantes são menos impulsivos e mais calculistas aqui. Eles formulam a melhor maneira de atacar a Toca dos Gatos usando um mapa da fortaleza dos ThunderCats, em vez de sair em suas Naves-Navalha com armas em punho. Enquanto Wilykit e Wilykat procuram as armas, ficamos a par dos vários aspectos do Castelo Plun-Darr, incluindo um poço de cobras e um armário cheio de caveiras. Hordas de Chacais e Reptilianos também fazem uma aparição.

Como em “Mongor”, este episódio lida com os ThunderKittens cometendo um erro e depois tentando corrigi-lo. Mas enquanto o primeiro consegue criar intensidade e medo, “Os Gatinhos em Apuros” cai de cara no chão. O maior problema é que o script se concentra apenas em alguns caracteres. Para que essa história funcione, é preciso manter o público envolvido o tempo todo, o que o roteiro de Morris não consegue. A seção do meio se arrasta infinitamente. A dupla invasão ao Castelo Plun-Darr, primeiro realizada apena pelos gatinhos, e depois junto com o Lion-O, se arrasta tanto que deixa o público desesperadamente desejando uma cena de batalha climática. Infelizmente, a única coisa que os telespectadores recebem é uma sequência de luta desinteressante, quase cômica, repleta de visuais ruins e falhas de animação. E a resolução final do conflito é provocada por uma bomba de gás hilariante conquistando os poderosos Mutantes. Patético no mínimo

Foi um erro deixar os outros ThunderCats adultos completamente fora de cena. Panthro, Cheetara e Tygra aparecem brevemente no início quando, sem motivo aparente, decolam no Feliner e não são vistos novamente até o fim. Sua contribuição é tão insignificante que Tygra não tem sequer uma única linha de diálogo. Uma sub-trama repleta de ação envolvendo esses três ThunderCats no Feliner teria melhorado bastante este episódio. As inúmeras falhas que afetam “Os Gatinhos em Apuros” fazem dele uma das ofertas mais fracas da série ThunderCats.

Escrito por Wilycub

Curiosidades

  • Simiano mostra bastante talento para usar o nunchaku de Panthro quando se admira girando a arma na frente de um espelho. Como ele nunca teve acesso à arma, seu domínio sobre ela só poderia ser atribuído a “macaco vê, macaco faz”!
  • Lion-O revela um fato interessante: de que a Sala de Armas da Toca dos Gatos é tão bem isolada que nem mesmo o sinal do ThunderCats pode penetrá-la.
  • Um erro notável de animação é visto durante a batalha final dentro do Castelo Plun-Darr, quando uma foto de Lion-O mostra erroneamente um cenário de floresta em vez do interior do castelo.

Texto extraído de thundercats.org com tradução, complementos e adaptações de Luciano Marzocca