37. Praga Mecânica

Escrito por Peter Lawrence

Sinopse oficial
Panthro cria hologravadores para filmar as experiências dos ThunderCats no Terceiro Mundo. A ideia é guardar as gravações numa cápsula do tempo na qual gerações futuras possam aprender. Mumm-Ra ouve o plano e acredita que seja uma oportunidade de atacar cada ThunderCat isoladamente. Ele invoca robôs e máquinas de guerra que já atacaram os heróis, mas foram derrotados somente com a ação em equipe. Com isso, cria uma praga mecânica para destruir os ThunderCats. O Technopede combate Panthro; o Robô de Guerra Plunndariano luta contra Tygra; o Broca vai atrás de Cheetara, que também tem que lidar com o Homens de Pedra; Wilykat e Wilykit são perseguidos pelo Mechanosect. A Lion-O resta os Mutantes com suas naves. Ele testemunha a situação de seus companheiros por meio da Visão Além do Alcance da Espada Justiceira, mas, antes que ele possa fazer qualquer coisa para ajudar, os Mutantes já estão em seu encalço. Ele convoca seus colegas, que escapam de seus oponentes individuais e se juntam a ele. Ao longo deste episódio, Snarf tenta registrar suas importantes tarefas domésticas – mas só consegue se prender em um varal. Sua humilhação é, claro, gravada para todos verem.

Moral pelo Dr. Robert Kuisis
Os ThunderCats se engajam em um esforço para registrar a história em prol das gerações futuras. A lição para a humanidade de aprender com o passado é que, se soubermos quais erros nossos ancestrais cometeram, não cometeremos os mesmos erros. Mesmo em nossas vidas individuais, esta é uma lição importante. Neste episódio, Lion-O e os ThunderCats enfrentam uma praga mecânica de robôs que eles conheceram antes. Apesar de ter que enfrentar os robôs um de cada vez ao invés de em grupo, eles são capazes de invocar sua memória dos encontros anteriores e derrotar os inimigos mais uma vez. Em nossas vidas diárias, sempre teremos motivos para recorrer ao conhecimento do nosso passado. Devemos estar abertos para aprender com nossas experiências atuais, para que possamos usar nosso conhecimento no futuro.

Elenco e personagens

Lion-O: Newton da Matta
Panthro: Francisco José
Tygra: Ricardo Juarez
Cheetara: Carmen Sheila
Wilykit: Marisa Leal
Wilykat: Nizo Neto
Snarf: Élcio Romar
Escamoso: André Luiz Chapéu
Simiano: Luiz Feier Motta
Chacal: Older Cazarré
Abutre: Luis Feier Mota
Mumm-Ra: Silvio Navas

Locais em destaque: Toca dos Gatos, Floresta, Pirâmide Negra

Comentário oficial
Embora não sem suas características redentoras, deve-se dizer que “Praga Mecânica” não é um dos episódios mais fortes do ThunderCats – na verdade, é sem dúvida uma das ofertas mais fracas da série. Com apenas o enredo mais direto imaginável, uma escassez de diálogo e grandes quantidades de animação reutilizada, este episódio pontua mais em pequenos toques que os fãs da série irão desfrutar ao invés de qualquer grande maravilha de contar histórias.

Por que esse episódio é tão fraco? Talvez uma das razões seja porque, no papel, pode ter sido realmente memorável. Ao longo da série até este ponto, algumas das maiores e mais dramáticas batalhas dos ThunderCats foram contra algumas das criaturas apresentadas neste episódio, todas (exceção feita ao Broca) gigantes máquinas de guerra que, fazendo um ataque combinado contra os ThunderCats, poderiam ter fornecido aos nossos heróis felinos seu maior desafio de todos os tempos. No entanto, em vez de viver de acordo com esse potencial, vemos os ThunderCats despacharem essas ameaças mecânicas com maior facilidade do que quando as enfrentaram pela primeira vez – por exemplo, o incontrolável Robô de Guerra Plundarriano de “Retorno a Thundera”, aquele que Lion- O só foi capaz de derrotar porque conhecia sua fraqueza, é superado de forma relativamente direta pelo ThunderTanque. Da mesma forma que todos os ThunderCats derrotaramr o Technopede em “Turmagar o Tuska”, neste episódio Panthro é capaz de destruir a criatura sozinho. Enquanto em termos de narrativa, pode-se argumentar que os ThunderCats alcançaram essa façanha porque os robôs que eles estão enfrentando foram ressuscitados por Mumm-Ra tendo ficado dormentes, ou em pedaços por algum tempo, no entanto, isto é sacrificar virtualmente todo o potencial dramático prometido pela premissa deste episódio.

Talvez o ponto mais forte deste episódio seja a intenção dos ThunderCats de fazer um registro holográfico de sua vida no Terceiro Mundo, o que seria uma coisa natural para eles desejarem fazer, especialmente à luz da recuperação da Cápsula do Tempo que continha um registro de vida em Thundera. “A Cápsula do Tempo” foi também escrito por Peter Lawrence, e como tal, há um bom e sutil elemento de continuidade introduzido. No entanto, a autenticidade das gravações dos ThunderCats é um pouco questionável, dado que a maioria do que eles se propuseram a gravar não é o Terceiro Mundo, sua paisagem ou seus povos indígenas, mas sim fotos dos ThunderCats demonstrando seus poderes e habilidades – enquanto estes, sem dúvida, formariam uma grande parte de sua vida ali. No entanto, parece que esse dispositivo é meramente uma desculpa para mostrar os ThunderCats exibindo seus poderes e habilidades no cenário de sequências de mini-ação, em vez de como parte de um enredo real.

Em termos das próprias sequências de ação, normalmente estas podem ser a graça salvadora de um episódio mais fraco de ThunderCats – muitos fãs se lembram do show tanto por sua ação quanto por contar histórias, e para ser honesto, este episódio possui mais do que o número médio de sequências de ação, várias das quais são muito bem coreografadas. No entanto, mesmo para ThunderCats, várias dessas cenas caem sem o pano de fundo de um enredo mais forte, e, como dito anteriormente, algumas delas também ficam anti-climáticas quando comparadas às batalhas originais dos ThunderCats com robôs e máquinas que compõem a principal ameaça deste episódio.

Outro elemento que enfraquece as sequências de ação neste episódio é a grande quantidade de animação que é reutilizada de outros episódios anteriores. Embora ThunderCats não empregasse tecnicamente o sistema de “stock footage” que algumas casas de animação da década de 1980 utilizariam (notavelmente Filmation), de tempos em tempos é possível detectar sequências de animação que foram reutilizadas em uma diferente cena em um outro episódio, presumivelmente para economizar tempo ou dinheiro. Normalmente, essa animação reciclada seria muito sutil e pouco perceptível para todos, exceto para o fã mais atento de ThunderCats – no entanto, neste episódio, é difícil não identificar pelo menos um exemplo disso. Como tal, algumas das sequências de ação deste episódio parecem mais um “destaque” do que algo usado para acentuar o drama e a excitação da história.

Apesar dessas grandes falhas, o episódio tem alguns fatores redentores. Uma delas é que, quando uma nova animação é usada para o episódio, ela inclui algumas fotos belíssimas, particularmente a sequência de Tygra tocando para a câmera no ato 2. No entanto, a única coisa que muitos fãs do ThunderCats adoram nesse episódio é que é uma vitrine fantástica para a inspiradora trilha sonora de Bernard Hoffer, ThunderCats – com tantas cenas mostrando longas sequências de ação para cada um dos ThunderCats, e praticamente sem diálogos, cada música temática do ThunderCat é ouvida não apenas por mais tempo do que nunca, mas também de uma maneira que permita que seja verdadeiramente apreciada. Carregar completamente uma cena sem diálogo, usando apenas uma faixa de música normal, é uma tarefa muito difícil, e o fato de a música de Bernard Hoffer conseguir fazer isso é um verdadeiro testemunho do gênio do homem.

Apesar disso, este episódio é uma saída esquecível e às vezes até mesmo entediante. Desapontadoramente, dada a premissa que parece empolgante, é um concorrente legítimo para o título de “Pior Episódio de ThunderCats”, e é inquestionavelmente uma das mais fracas ofertas da primeira temporada da série.

Escrito por Chris (He-Fan)

Curiosidades

  • Quando os ThunderCats reproduzem imagens de Snarf gravadas durante a sequência de abertura deste episódio, uma das sequências de animação mostradas na tela de visualização da Toca dos Gatos cenas de “Snarf Aceita o Desafio!”
  • Os robôs misticamente recuperados por Mumm-Ra para atacar os ThunderCats aparecem em episódios anteriores – em ordem de aparição, eles são o gigante Technopede de “Turmagar o Tuska”, o Robô de Guerra Plundarriano de “Retorno a Thundera”, o Broca de “Imagem Distorcida” e “Retorno do Broca”, e o Mechano-Sect de “Retorno do Broca”.
  • Ao contrário de suas duas aparições anteriores, neste episódio o Broca não tem um papel falado.
  • Este episódio apresenta uma grande quantidade de animações reutilizadas de vários episódios diferentes, incluindo “êxodo”, “Retorno do Broca”, “Sexto Sentido”, “Turmagar o Tuska” e até as imagens de abertura do programa. No entanto, um dos exemplos mais flagrantes disso é uma cena envolvendo Wilykit e Wilykat, onde a primeira metade da cena foi completamente retirada do episódio “A Cápsula do Tempo”, com as dificuldades de Wilykat pilotando sua prancha espacial. Olhando para a qualidade visual da sequência, fica claro que os animadores nem mesmo reanimaram a cena, mas simplesmente inseriram uma cópia da cena original que já apareceu antes no programa neste episódio.
  • Este episódio é notável por sua brilhante exibição dos temas musicais individuais dos ThunderCats, todos compostos por Bernard Hoffer. Esse episódio forneceria a maior e mais longa vitrine para o tema de Cheetara e para o tema de Tygra, com longas sequências de ação utilizando a música, com apenas efeitos sonoros e diálogos minimalistas..Em um ponto durante este episódio, aproximadamente cinco minutos de filmagem acontecem sem nenhuma linha de diálogo, exceto por grunhidos e exclamações sem palavras, sendo faladas por qualquer personagem!
  • Na cena final deste episódio, Panthro diz a Snarf “há um Hamlet escondido em todos os quadrinhos”. Hamlet, é claro, foi o protagonista na peça de mesmo nome de William Shakespeare, e é um papel altamente dramático – assim, a citação de Panthro é muito apropriada para este episódio. No entanto, a referência levanta a questão: como os ThunderCats estão cientes das obras de Shakespeare?

Texto extraído de thundercats.org com tradução e adaptações de Luciano Marzocca

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *