49. Dia Final de Ungido de Lion-O O Teste do Mal

Escrito por Leonard Starr

Sinopse oficial
O julgamento final dos Julgamentos da Unção de Lion-O, uma série de testes que cada um dos Senhores dos ThunderCats teve que passar para provar que era digno de seu título herdado, colocando-o contra seu pior inimigo, no caso: Mumm-Ra. Neste julgamento, Lion-O deve enfrentar o Sacerdote do Mal sozinho, sem a ajuda dos outros ThunderCats e sem a Espada Justiceira. Jaga aparece e oferece conselhos a Lion-O, mas o herói decide seguir seu próprio caminho. Mumm-Ra convoca os Mutantes e ordena que destruam Lion-O antes que ele chegue à Pirâmide Negra. Os capangas o atacam e o prendem em um poço subterrâneo, que é semelhante à Pirâmide Negra. Enquanto está no subsolo, Lion-O encontra e supera muitos dos obstáculos de seu nêmese; um Barqueiro sem rosto; um teto vivo; um enorme casulo de um olho; o Incandescente. Lion-O finalmente alcança a Pirâmide de Mumm-Ra e se envolve em uma batalha individual com ele. Durante a batalha, Lion-O percebe que o sarcófago é a fonte de poder regenerador da múmia. Lion-O lança o sarcófago no Caldeirão fervente. Mumm-Ra vira cinzas. Jaga aparece novamente e elogia Lion-O por seu heroísmo e bravura. Lion-O justifica seus próprios planos ao derrotar seu maléfico inimigo, provando assim que ele é realmente digno de seu título herdado.

Moral pelo Dr. Robert Kuisis
As experimentações das provas de unção do Lion-O culminam em seu confronto com o próprio Mumm-Ra. Tendo superado os testes anteriores apresentados pelos ThunderCats, ele entra em seu teste final, equipado com suas qualidades heróicas de força, coragem, astúcia e sabedoria. Percebendo que deve enfrentar Mumm-Ra sozinho e tendo sido preparado de acordo, ele recusa a oferta de conselhos de Jaga e decide confiar de forma independente em sua própria força e capacidade internas. Entrando no reino de forças e poderes maravilhosos, Lion-O persiste até descobrir que entende a fonte do poder de Mumm-Ra, seu sarcófago. Destruindo o sarcófago, Lion-O vence Mumm-Ra e, ao vencer seu julgamento final, é ungido como o Senhor dos ThunderCats.

Como um herói destinado a se tornar o Senhor dos ThunderCats, Lion-O não se esquivou da responsabilidade de crescer em autoconsciência, no desenvolvimento de seu caráter e habilidades, e na coragem e disposição de usá-los para melhorar a si e aos outros. Também temos uma responsabilidade semelhante e podemos aprender com o exemplo do Lion-O. Temos nossas próprias habilidades e talentos que devemos procurar entender, cultivar e expressar. Devemos fazê-lo no espírito de coragem e prudência. Muitas vezes, são nossos próprios medos e emoções internos que bloqueiam nosso desenvolvimento, criam inibições e parecem nos dominar. Enfrentando nossos medos e nosso mundo interior de emoções, compartilhando-os prudentemente com adultos e amigos em quem confiamos, crescemos entendendo a nós mesmos. E por responsabilidade, usando nossos talentos e habilidades em nossas vidas, nos tornamos, como Lion-O, como membro essencial de nossa comunidade.

Elenco e personagens
Lion-O: Newton da Matta
Panthro: Francisco José
Tygra: Francisco Barbosa
Cheetara: Carmen Sheila
Wilykit: Marisa Leal
Wilykat: Nizo Neto
Snarf: Élcio Romar
Abutre: Luiz Feier Motta
Escamoso: André Luiz “Chapéu”
Simiano: Paulo Flores
Chacal: Older Cazarré
Mumm-Ra: Silvio Navas
Maftet: Antônio Patiño
Incansdescente: Flavio Colatrello Jr.
Povo Toupeira: Vozerio, não identificável
Barqueiro: Flavio Colatrello Jr.
Na cena final: todos os aliados feitos durante a primeira temporada da série.

Locais em destaque: Toca dos Gatos, Caverna dos Homens-Toupeira, Castelo Plun-Darr, Pirâmide Negra, Rio do Desespero, Ruínas do Tesouro e o Templo de Maftet, Floresta dos Unicórnios,

Veículos: Naves Navalha, Mergulhador

Comentário oficial
Se os cinco episódios que compõem as experimentações da unção de Lion-O têm uma única discussão é que a herança e a tradição são de vital importância para os ThunderCats. Presos no Terceiro Mundo, não é difícil imaginar que essa herança e tradição são como linhas de vida para eles, fios de seu mundo natal aos quais se apegam, a fim de manter sua própria identidade em seu planeta adotado. Também não é difícil acreditar que é esse senso de herança e tradição que os leva a encenar o ritual dos Julgamentos da Unção, mesmo quando o cenário de onde esses julgamentos se originaram, ou seja, o planeta Thundera, foi obliterado há muito tempo. Este episódio, o final dos cinco, é talvez a ilustração mais gritante de como todos os ThunderCats estão comprometidos com o conceito e o ideal dos Julgamentos, já que Lion-O enfrenta seu inimigo mais mortal completamente desarmado.

A razão pela qual não é difícil chegar à conclusão de que a tradição e a herança são o que motivam os ThunderCats a realizar os Julgamentos no Terceiro Mundo é principalmente porque, em seu planeta adotado, os Julgamentos têm muito pouco propósito prático, ou, pelo menos, levam a muito mais riscos do que recompensa. Em Thundera, pode-se imaginar por que os Julgamentos poderiam servir como um ritual importante, pois, em Thundera, o Senhor dos ThunderCats governaria um grande número de thunderianos, da mesma maneira que Claud-Us, pai de Lion-O. Nessa circunstância, com o domínio do planeta e de sua população em uma posição hereditária, pode-se entender por que a aptidão do herdeiro para governar precisava ser justificada. Poderia-se argumentar que os Julgamentos tomariam o lugar de uma eleição ou algum outro processo democrático, garantindo que quem liderasse os thunderianos estivesse totalmente qualificado para fazê-lo. Ou, ao menos, é uma certificação meritocrática. Por outro lado, no Terceiro Mundo, na época dos Julgamentos, todos os ThunderCats tiveram um relacionamento pessoal próximo com Lion-O e, no papel, deveriam estar cientes de sua aptidão para liderá-los (ou não).

Talvez a coisa mais chocante nos Julgamentos seja o risco que os ThunderCats correm ao executá-los, pois, ao longo dos episódios anteriores, vemos que os ThunderCats dependem muito de Lion-O e também da Espada Justiceira. Ele a empunha não porque é dele, mas porque ele é líder. Se Lion-O falhar, os Julgamentos deixariam os ThunderCats sem líder e sem um campeão para invocar o poder do Olho de Thundera, deixando-os potencialmente à mercê de seus inimigos. Embora não seja difícil imaginar que os ThunderCats tenham planos de contingência dentro de suas tradições, caso o Senhor hereditário não consiga concluir os Julgamentos, no entanto, o período de fluxo e confusão que isso criaria nas fileiras do ThunderCat os deixaria vulneráveis e à mercê de seus inimigos. A hipótese mais provável é de que o líder do Conselho ThunderCat assumiria o comando (no caso seria Tygra), mas como ficaria o uso da Espada Justiceira?

Para esse fim, pode-se argumentar que esse ponto nunca é ilustrado mais do que neste episódio, em que os ThunderCats pedem a Lion-O que enfrente seu inimigo mais mortal em combate, desarmado, e derrote-o para concluir os Julgamentos. Novamente, se fosse em Thundera, seria fácil entender como isso aconteceria, um dos requisitos de um líder seria proteger o planeta e seu povo, a maioria dos quais seriam civis simples. No entanto, no Terceiro Mundo, é difícil ver o que os ThunderCats poderiam ganhar ao aproximar Lion-O dessa potencial missão suicida, atacando alguém significativamente mais poderoso do que ele. Em Thundera é improvável que um Senhor dos ThunderCats tivesse que enfrentar um inimigo mais poderoso que um Mutante. De fato, o maior risco é que seu líder atual, com quem todos se preocupam e em quem confiam, seja morto por Mumm-Ra, não apenas falhando nos Julgamentos, mas morrendo no processo. Novamente, isso é mais uma ilustração de porque a herança é maior motivador do que qualquer objetivo prático no desejo de ver os Julgamentos até o fim, bom ou amargo.

Quanto ao episódio em si, mais uma vez, como costuma acontecer com os episódios originários da caneta de Leonard Starr, é uma história de aventura brilhantemente envolvente e divertida que deixa o público à beira do assento. Um dos aspectos mais notáveis deste episódio é como os demônios que Lion-O tem de enfrentar são gráficos – enquanto em outras séries animadas desse período e gênero as ameaças que o herói principal teria que enfrentar seriam um pouco diluídas. por consideração ao público jovem do programa, esse episódio não dá nenhum soco, com muitas criaturas temíveis sendo enfrentadas por Lion-O a caminho de seu confronto com o Mumm-Ra.

Se esse episódio tem uma fraqueza, seria que o estilo de animação decepcionante frente à história poderosa e dramática, com uma renderização um pouco mais angular e um pouco mais grosseira. A animação para esse episódio parece apressada e parte dele provavelmente foi terceirizada para estúdios mais baratos. Falta o detalhamento que é uma parte intrínseca do anime japonês. Sim, poderia ser pior, mas, infelizmente, não está de acordo com o alto padrão estabelecido por muitos outros episódios da série, e é uma pena que um episódio tão bem escrito não tenha visuais melhores para apoiá-lo.

Um outro elemento interessante deste episódio é a interação de Lion-O com Jaga. Quando ele fala com Jaga no início do episódio, realmente fala sobre tentar lidar sozinho com o próximo julgamento, pois se ele realmente será o Senhor dos ThunderCats, é isso que ele deve fazer. Isso é maduro e perceptivo para Lion-O, pois se ele seguisse o conselho de Jaga o tempo todo, não seria apenas ele quem havia concluído o julgamento, mas também Jaga. Curiosamente, quando Lion-O diz isso a Jaga, ele quase parece se ofender, o que é um pouco fora do comum. No entanto, na conclusão do episódio, isso está resolvido, e a cena de encerramento entre Lion-O e Jaga é um belo momento de personagem que define o tom de seu relacionamento durante o resto da série.

Embora esse episódio não seja completamente perfeito, é, no entanto, um capítulo poderoso e completamente divertido, como todos os Julgamentos da Unção. Essa fase é uma das favoritas dos fãs, e esse episódio se destaca de vários outros por fornecer uma conclusão muito satisfatória para a história que mostrou Lion-O surgir como menino e se tornar um homem.

Curiosidades

  • Neste episódio, Maftet se refere a Mumm-Ra como “o Sacerdote do Mal”. Embora o principal adversário do ThunderCats seja referido regularmente por esse termo em outras mídias, isso marca uma das raras ocasiões em que o termo é usado na própria série;
  • Quando Lion-O está abrindo caminho para a Pirâmide Negra, ele é atacado por uma criatura que usa exatamente o mesmo modelo de personagem que o Incandescente de “A Espada Justiceira”, tanto em sua forma flamejante quanto quando suas chamas são extintas. Supõe-se que a criatura se tornou um mercenário a serviço de Mumm-Ra;
  • Quando Lion-O está se aproximando da Pirâmide Negra, Mumm-Ra reage emocionalmente ao pensamento do Senhor dos ThunderCats penetrando em sua fortaleza como se nunca tivesse acontecido antes. De fato, nesse ponto da série, Lion-O estava dentro da câmara da cripta de Mumm-Ra em mais de uma ocasião, principalmente em “Snarf Aceita o Desafio” e “Dimensão da Perdição”. No entanto, pode-se argumentar que nessas duas ocasiões, o jovem senhor estava à mercê de Mumm-Ra, um cenário bastante diferente do que neste episódio;
  • Nesse episódio, foi revelado que o sarcófago de Mumm-Ra é a fonte de seu poder;
  • Quando Lion-O derrota Mumm-Ra, o Sacerdote do Mal é mostrado graficamente morrendo, indicando que ele foi derrotado para sempre. Quando sua ressurreição é sugerida na cena final desse episódio, a cena que mostra isso parece um pouco como se tivesse sido editada no último minuto, indicando que talvez esse episódio tenha sido escrito como uma espécie de final, mas que os escritores posteriormente mudaram de ideia;
  • Quando Lion-O é coroado como Senhor dos ThunderCats, uma multidão é vista do lado de fora da Toca dos Gatos em uma cena panorâmica. Entre os personagens mais incomuns que aparecem nessa cena de multidão estão Ligeirinho (de “Mandora – A Caçadora do Mal” e “Mandora e os Piratas”), Mula (de “Safari Joe”), os Trollogs (de “Berbils”), um colorido incorretamente Dr. Dometone (do episódio homônimo) e, mais estranhamente, o malvado ninja de “O Thunder-Cortador”;
  • Embora ele escreva todos os dez primeiros episódios da segunda temporada de ThunderCats, este é o último em que Leonard Starr contribuirá para a primeira temporada;
  • Embora todos os episódios que compõem os Julgamentos da Unção de Lion-O sejam espaçados, eles são escritos como ocorrendo em dias consecutivos e, como tal, foram projetados para serem assistidos juntos;
  • Quando ThunderCats foi exibido no Reino Unido na BBC, era prática comum que um episódio do programa fosse transmitido uma vez por semana, diferente dos EUA, onde muitas emissoras transmitiam o programa diariamente. Ao contrário dos EUA, onde os episódios do Julgamento da Unção foram espaçados, no Reino Unido eles foram exibidos juntos, com as cinco partes sendo transmitidas no espaço de cinco semanas.
  • Esses episódios não foram transmitidos no Reino Unido até setembro de 1990, quando começaram uma nova temporada de ThunderCats. A nova temporada em questão é a segunda metade da primeira temporada. Curiosamente, embora os episódios do Julgamento da Unção não tivessem sido transmitidos no Reino Unido até aquele momento, vários episódios que apareceram depois deles, tanto na ordem de produção quanto na data de transmissão dos EUA, foram transmitidos na BBC vários anos antes.
  • Este é o último episódio em que a equipe de animação japonesa fez parte da série. Fechado o ciclo da “jornada do herói” de Lion-O, eles se retiraram da série. Por fim, foram convidados por Hayao Miyazaki para constituir um novo estúdio, o mítico Studio Ghibli.

Texto extraído de thundercats.org com tradução, complementos e adaptações de Luciano Marzocca