11. O Guerreiro Fantasma

Escrito por Leonard Starr

Sinopse oficial
Enquanto procuram objetos de valor em um túmulo abandonado, dois bolkins (seres baixos com cara de ovelha) acidentalmente liberam um renegado fantasmagórico chamado Grune. Roubando a Toca dos Gatos, Grune drena a fortaleza da sua fonte de energia, o Thundrillium, e continua a destruir uma aldeia Wollo e forjar uma arma poderosa de uma rocha de fogo de Thundranium, uma substância única que enfraquece os THUNDERCATS. Jaga parece travar uma batalha final com Grune, tendo lutado com ele muito antes no planeta Thundera. Enfraquecido pelo Thundrainium, Jaga está perdendo. Lion-O arrisca sua vida e projeta toda a sua força na forma astral de Jaga, lançando-lhe a Espada Justiceira. Com este poder ThunderCat extra, Jaga derrota o guerreiro fantasma, explodindo Grune no nada. Jaga devolve a Espada a Lion-O a tempo de o Senhor dos ThunderCats sobreviver.

Moral pelo Dr. Robert Kuisis
A decisão dos bolkins de cometer irregularidades por ganho econômico resulta em consequências negativas imprevistas ao liberar Grune, o ex-ThunderCat. Grune traiu o Código de Thundera por causa da ganância e auto-promoção. Quando Grune ameaça destruir os ThunderCats e se vingar de Jaga, Lion-O e Cheetara fazem sacrifícios com risco de perder a vida para ajudar Jaga e defender sua sociedade. Jaga finalmente permite que Grune determine sua própria destruição, revelando honestamente suas más intenções ao invés de deixá-lo posar como um falso amigo.

Este episódio ilustra que as habilidades e talentos que cada um de nós possui devem ser avaliados honestamente, com base em nosso desempenho. Nossas habilidades devem ser usadas apropriadamente para o bem-estar de todos e não para nossos próprios motivos egoístas. Os sacrifícios heroicos e o uso apropriado de talentos e habilidades de Cheetara, Lion-O e Jaga contrariam a crueldade de Grune e o mau uso de seus talentos e dons. A coesão e o bem-estar da sociedade dependem das contribuições de cada indivíduo para o bem comum.

Elenco e personagens
Lion-O: Newton da Matta
Panthro: Francisco José
Cheetara: Carmen Sheila
Wilykit: Marisa Leal
Wilykat: Nizo Neto
Snarf: Élcio Romar
Grune: Dário de Castro
Bolkins: n/c
Wolo: Orlando Drummond
Jaga: Garcia Neto

Locais em destaque: Tumba de Grune, Toca dos Gatos, aldeia wolo.

Comentário oficial
Uma parte central dos ThunderCats é o Código de Thundera, “Justiça, Verdade, Honra, Lealdade”. O Código representa um modo de vida para todos os ThunderCats e é a estrutura na qual eles baseiam suas vidas, suas ações e seus ideais. É difícil imaginar que qualquer um dos ThunderCats dê as costas para o Código, porque fazer isso seria dispensar uma parte deles mesmos, dar as costas para quem eles são e o que os torna fortes. Este episódio, no entanto, mostra os ThunderCats enfrentando, talvez, seu mais temido inimigo – para usar o termo de Panthro, “um ThunderCat ficou ruim!”

Para mim, pessoalmente, este é um dos melhores episódios de ThunderCats de toda a série de 130. Se você analisar elementos dele, você pode realmente encontrar algumas falhas de escrita notáveis, e levanta questões que nunca são respondidas adequadamente dentro do contexto das séries. E, no entanto, por tudo isso, o episódio tem uma “vibe” especial em torno dele que cativa. Embora obviamente tratado com bom gosto por causa do público-alvo do programa, “O Guerreiro Fantasma” é indiscutivelmente uma das ofertas mais sombrias da série, lidando com a liberação de um fantasma assustadoramente poderoso de sua tumba, um guerreiro vingativo dedicado à destruição dos ThunderCats e (talvez mais notavelmente de todos) um ser que mostra a corrupção da psiquê thunderiana. Em ambas as ocasiões, quando os ThunderCats são confrontados por Grune, a ameaça que eles sentem parece real e tangível, e a sensação de desesperança que os ThunderCats sentem quando pensam em como lutar contra Grune é fácil de entender.

Outro elemento especial deste episódio é que sutilmente toca em um tema brevemente exibido no episódio piloto, “Êxodo”, e que é um tipo de quase “misticismo ThunderCat”. Quando Jaga morre em “Êxodo”, nós o vemos desaparecer e retornar em forma de espírito para avisar Lion-O (à la Obi-Wan Kenobi nos filmes originais de Star Wars), e depois nós aprendemos que Jaga ascendeu ao Mundo Astral, presumivelmente um plano superior de existência equivalente a uma vida após a morte. Parece que alguns ThunderCats são capazes de retornar ao reino mortal em forma de espírito, como é evidenciado pela aparição de Grune O Destruidor neste episódio, e muito mais tarde por Claudus em “Shadowmaster”. Embora com bom gosto, é óbvio pelo fato de que Grune desembarcou no Terceiro Mundo séculos antes, e que seu fantasma foi selado em um túmulo, que Grune realmente morreu; e claramente, para ele se manifestar como um fantasma e interagir com os ThunderCats, ele subiu para um plano mais alto da mesma maneira que Jaga.

De fato, a forma fantasma de Grune parece ser ainda mais poderosa que a de Jaga, pois, enquanto Jaga aparece apenas como um guia para Lion-O, sem presença física, Grune é mostrado interagindo com objetos físicos, como quando ele destrói a aldeia dos wollos ou forja sua maça de Thundrainium. Como isso é possível não é explicado, mas uma teoria seria que Jaga escolhe ter um papel mais passivo nas vidas dos ThunderCats no Terceiro Mundo, porque ele sabe que o Lion-O precisa tomar certas ações e experimentar certas coisas para se tornar o tipo de líder que os ThunderCats precisam. Isso, no entanto, é tudo apenas uma conjectura. Deixando isso de lado, a imagem dos dois espíritos gigantes, Jaga e Grune, batalhando nos céus próximos à Toca dos Gatos é uma das mais notáveis ​​e memoráveis ​​de toda a série, e é também uma das únicas ocasiões em que os outros ThunderCats (à parte de Lion-O) realmente veem Jaga em sua forma espiritual.

A apresentação de Grune também é um movimento brilhante, que acrescenta muito realismo e credibilidade aos ThunderCats e sua civilização. Ao olhar para personagens tão nobres e bons quanto os ThunderCats, seria fácil assumir que Thundera era apenas um paraíso sem conflito, povoado por civis um tanto bidimensionais. No entanto, o caráter de Grune e seu exército de seguidores mostrado na visão de Cheetara mostra que isso não era inteiramente verdade – que Thundera, como o terceiro Mundo (ou, na verdade, nosso Mundo!) tinha seus elementos desagradáveis, e que mesmo aqueles que carregavam o manto do ThunderCat pode ser corrompido. Esta é uma brilhante obra de Leonard Starr, e um testemunho de quão bem pensado e imaginativo o universo dos ThunderCats poderia estar nas mãos de seus melhores escritores.

Este episódio também marca uma evolução sutil quanto ao “status” dos ThunderCats no Terceiro Mundo. Este é o primeiro episódio a mostrar um grupo coadjuvante chegando aos ThunderCats para pedir ajuda. É evidente que, a essa altura, os ThunderCats conseguiram conquistar a confiança dos povos de seu planeta adotivo, e esse é um pequeno e adorável toque inserido inteligentemente em um episódio repleto de ação e altamente agitado.

Outro evento digno de nota baseado em personagens neste episódio é a primeira aparição do sexto sentido de Cheetara. Cheetara desempenhou um papel fundamental em episódios anteriores, como “Trouble With Time” e “Pumm-Ra”, sempre como um personagem principal forte que poderia defender-se e salvar o dia, e esta é uma tendência que continuaria para o resto da série. No entanto, com a introdução de seu sexto sentido, os roteiristas lhe deram um calcanhar de Aquiles pela primeira vez, de uma forma muito engenhosa – um dom que é ao mesmo tempo um ativo e uma maldição, e que desempenhará um papel crucial em futuros episódios.

Eu poderia falar sobre esse episódio por muitas horas. Sempre que penso no meu amor pelos ThunderCats e porque eu acho que a série foi especial, minha mente vai invariavelmente voltar a este episódio, que é maduro e emocionante, mas cheio de escapismo e aventura que torna os ThunderCats cativante para jovens e velhos igualmente. Em suma, eu adoro isso!

Escrito por Chris (He-Fan)

Curiosidades

  • Este episódio nos apresenta a mais uma pequena espécie do Terceiro Mundo: os Bolkins. Essas criaturas foram descritas na literatura oficial de Rankin / Bass como tendo uma semelhança com ovelhas.
  • Ao longo de toda a série ThunderCats, Lion-O é aconselhado pela forma espiritual de Jaga. No entanto, este episódio marca uma das únicas ocasiões em que os outros ThunderCats também são capazes de ver Jaga! Outro detalhe interessante é que, quando Jaga aparece para Lion-O, ele é normalmente descrito em um esquema de cores azul e cinza para significar o fato de que ele é um fantasma. No entanto, para este episódio, os animadores mostram-no com o seu esquema de cores original, como visto anteriormente em “Êxodo” e, posteriormente, em “A Prisão Astral”.
  • Neste episódio, Grune O Destruidor forja uma maça de batalha feita com Thundrainium, uma substância que enfraquece os ThunderCats. No entanto, algo que não é explicado é porque o Thundrainium não afeta Grune, dado que ele é um thunderiano e um antigo ThunderCat! Se a razão para isso não ter efeito sobre ele é porque ele é um fantasma, isso então levanta a questão: Por que isso tem um efeito sobre Jaga?!
  • Este episódio apresenta a primeira aparição do sexto sentido de Cheetara, que seria focalizada em maiores detalhes em episódios futuros, mais notavelmente em “Sexto Sentido” e “O Feixe da Telepatia”. Enquanto visões úteis apareceriam para Cheetara durante toda a série, as visões de transe auto-induzidas seriam usadas apenas de novo em ThunderCats Ho! Parte um”.

Texto extraído de thundercats.org com tradução e adaptações de Luciano Marzocca

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *