12. O Olhar Fatal

Escrito por Stephen Perry

Sinopse oficial
Mumm-Ra alia-se à princesa egípcia Ta-She para usar seu Olhar Fatal, um poder fascinante, que pode escravizar os ThunderCats. Para libertá-la da Prisão do Tempo, o Sacerdote do Mal e seus aliados precisam de três elementos: um tufo de cabelo de Cheetara, uma ferradura dourada de unicórnio e uma lágrima de Berbil. Os Mutantes, auxiliados por uma Nuvem de Guerra, reúnem os elementos e sequestram a Ro-Ber-Bella. Os ThunderCats perseguem, através do Deserto de Fósforo, dos penhascos das ruínas de vertigem e o Campo das Adagas. Como o ritual que liberta de Ta-She começa no Monte Angústia, o ataque ThunderCat se dá ali. Ta-She precisa de Lion-O como o herói que assumirá seu lugar na Prisão do Tempo e usará o Olhar Fatal para capturá-lo. Cheetara (uma mulher) não é hipnotizada pela beleza da princesa e tira o Lion-O do transe. Derrotada, Ta-She desvanece de volta à sua prisão e Mumm-Ra desaparece furiosamente nos céus escuros.

Moral pelo Dr. Robert Kuisis
Lion-O se apaixona pela beleza de Ta-She e cai sob seu feitiço hipnótico. Mesmo em face do perigo iminente para si mesmo, Ro-Ber-Bella e os outros ThunderCats, ele é incapaz de ver através de sua aparência e compreender o mal essencial sob seu encanto. Somente quando resgatado por Cheetara ele recupera seu julgamento, percebe a superficialidade de sua aparência e reflete sobre as diferenças entre eles.

Atração entre amigos nos estágios iniciais da infância pode ser baseada em características superficiais como localização geográfica ou atividades favoritas. À medida que as crianças crescem, outros fatores tornam-se significativos, como interesses, comportamento cooperativo e compartilhamento de bens. Aproximando-se da adolescência, características centrais como intimidade e lealdade tornam-se importantes e semelhanças pessoais em comportamentos e atitudes são marcas de amizades duradouras (Kandel, 1978).

ANDEL, D. B. (1978). “Homophily, Selection and Socialization in Adolescent Friendships.” American Journal of Sociology, 84, 427-436.

Elenco e personagens
Lion-O: Newton da Matta
Panthro: Francisco José
Cheetara: Carmen Sheila
Wilykit: Marisa Leal
Wilykat: Nizo Neto
Snarf: Élcio Romar
Mumm-Ra: Sílvio Navas
Escamoso: André Luiz “Chapéu”
Simiano: Paulo Flores
Chacal: Older Cazarré
Ro-Ber-Bella: n/c
Ta-She: Sônia Ferreira

Locais em destaque: Deserto de Fósforo, o Campo das Adagas, Monte Angústia, Pirâmide Negra, Toca dos Gatos.

Veículos em destaque: Naves-navalha, mergulhador, ThunderTanque

Comentário oficial
Um dos pontos fortes da série animada ThunderCats é a enorme variedade de diferentes tipos de enredos e histórias que os roteiristas conseguiram criar, e também a habilidade desses roteiristas de abordar de maneira sensível e “amiga dos filhos” alguns dos cenários que podem surgir no curso da batalha dos ThunderCats contra o mal. Neste episódio, o escritor Stephen Perry faz sua estréia na escrita de roteiros de ThunderCats e mostra sua habilidade em conjurar episódios memoráveis ​​ao mostrar Lion-O caindo sob o fascinante feitiço da malvada feiticeira Ta-She, em um episódio tingido, digamos assim, com tensão de múltiplas variedades.

Um dos aspectos mais notáveis ​​deste episódio é como, mais uma vez, Cheetara desempenha um papel significativo em colaborar junto dos ThunderCats a salvar o dia. No entanto, enquanto em episódios anteriores isso pode ter sido usado para uma cena específica (como o resgate de Tygra em “Problemas com o Tempo” ou o uso de seu sexto sentido em “O Guerreiro Fantasma”), neste episódio Cheetara fica abatida e suja, sozinha, mas derrota todos os Mutantes e desafia Mumm-Ra. Tal é a força da personagem de Cheetara que isso quase pode passar despercebido. No entanto, em outro dispositivo de enredo brilhante, o gênero de Cheetara é destacado quando o Olhar Fatal de Ta-She não consegue enlaçá-la, aparentemente por nenhuma outra razão além do fato de que Cheetara ser mulher e assim imune ao fascínio sensual da beleza de egípcia. Ao longo de toda a série, Cheetara seria exibida como um modelo praticamente perfeito para as espectadoras do programa, mostrando habilidade e poder confiante, mas ainda com um reconhecimento imediato de seu lado feminino, e não há melhor episódio para mostrar que isso.

É claro que este episódio é muito mais uma vitrine de “girl power” em geral, com a introdução da dominante bruxa malvada Ta-She para o que seria sua única aparição na série. Na minha introdução, mencionei com que sensibilidade os escritores do ThunderCats lidavam com certas questões, e se você dissecar o enredo desse episódio, perceberá que essa é outra dessas ocasiões. Pois, enquanto o poder de Ta-She, o Olhar Fatal, claramente tem muita força mágica por trás disso, parece que para que isso funcione, sua vítima teria que possuir algum tipo de atração física por ela. Esta teoria é apresentada de duas maneiras: em primeiro lugar, pela facilidade com que Lion-O (que, apesar de ser o Senhor dos ThunderCats, ainda é mentalmente um menino amadurecendo em um homem), sucumbe à beleza de Ta-She, e em segundo lugar pelo fato de Cheetara, como mulher, ser imune aos efeitos do Olhar Fatal. Além disso, o fato de Snarf (um personagem masculino mais velho) não sucumbir ao Olhar Fatal de Ta-She até que ela use toda a extensão de seu poder nele, dá mais credibilidade a essa teoria. Tudo isso contribui para um enredo altamente singular, verossímil e, no entanto, sensível.

Outro detalhe que acrescenta um sabor centrado na mulher para este episódio é a característica pesada para Ro-Ber Bella. É um belo toque que a gentil mulher Berbil seja usada para preencher o papel de donzela em perigo no lugar de uma das personagens femininas mais fortes, como Willa, ou até mesmo a própria Cheetara, embora, obviamente, seja usada neste caso. Como ela é uma mulher (e, portanto, é provável que a Berbil seja levada a verter uma lágrima), não deixa de ser uma infeliz circunstância para os Berbils que sua pequena estatura os torne suscetíveis de se tornarem vítimas dos inimigos dos ThunderCats.

Embora este não seja o roteiro mais memorável de Stephen Perry quando comparado a alguns de seus outros episódios (o “Feliner” ou “Safari Joe”), este é um episódio extremamente agradável, excelente, visualmente excitante e executado com perfeição. com um enredo muito original e divertido.

Escrito por Chris (He-Fan)

Curiosidades

  • Este roteiro mostra o maior papel a ser desempenhado pela mulher Berbil, Ro-Ber-Bella. Também é seu segundo papel com falas. O primeiro foi o episódio “Berbils”.
  • A sinopse oficial de Rankin/Bass deste episódio identifica a localização climática como “Monte Angústia”. Este local seria usado novamente em “Retorno a Thundera”.
  • Este episódio apresenta um exemplo raro de Mumm-Ra se transformando em sua forma De Vida Eterna fora de sua pirâmide. Embora a filmagem da transformação de Mumm-Ra ainda seja usada, neste episódio ela é filmada contra um novo fundo.
  • Além disso, vemos uma variação rara na filmagem muitas vezes usada do Lion-O evocando os outros ThunderCats. Nesse episódio, os primeiros segundos dessa sequência são exibidos em relação a um fundo de localização real, em vez do fundo padrão de cor vermelha ou azul usado para a maior parte da série.
  • Este é o primeiro episódio de ThunderCats a ser escrito por Stephen Perry. Embora muito conhecido por seu trabalho em ThunderCats e também SilverHawks, Stephen também trabalhou em uma variedade de outros projetos, incluindo um período na Marvel Comics. Trabalhou como redator na série Thunder Agents da Deluxe Comics, onde esteve ao lado de lendas de quadrinhos, como o co-criador do Homem-Aranha, Steve Ditko.

Texto extraído de thundercats.org com tradução e adaptações de Luciano Marzocca

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *